Com 22 anos feitos neste mês de março, Anilton Cabral fez a sua estreia na moda internacional depois de alguma persistência, segundo revela em entrevista ao SAPO. Agora, diz estar focado no futuro, que acredita, promete ser promissor.

Nasceu na Praia, mas foi na ilha da Boa Vista que cresceu. Regressou à capital para completar a sua formação secundária que fez no Liceu Domingos Ramos, LDR.

E foi justamente nesta instituição que participou no concurso Miss & Mister LDR 2014/ 2015 e acabou por se sagrar vencedor. No mesmo ano participou e venceu novamente, desta vez o concurso Mister Powa Swag.

Foi assim que acabou por ser recrutado para a agência de modelos local, Vaiss Models, na altura liderada pela primeira Miss West Africa cabo-verdiana, a modelo Vanny Reis.

Conta que fez uma série de trabalhos durante dois anos, mas que sempre ambicionou algo mais, nomeadamente uma carreira internacional.

Acabou por sair da agência local e tentou pelos seus próprios meios entrar numa agência internacional.

O convite acabou por surgir com o apoio de outra colega da profissão, a modelo cabo-verdiana Cláudia Morais, que chegou a participar na primeira e única edição do Elite Model Look Cabo Verde.

A colega que atualmente trabalha na Da Banda Model Management, “uma agência de modelos baseada em Lisboa e Luanda que desde 2010 foca-se no scouting e gestão de carreira de modelos com potencial internacional” e da qual fazem parte outros modelos africanos entre as quais a cabo-verdiana Alécia Morais, mostrou uma foto do Anilton à sua booker, Sandra Teixeira.

Em outubro de 2018, Anilton conseguiu finalmente realizar o seu sonho e viajar para Portugal para fazer uma formação na área da moda a convite da Da Banda.

Depois da formação, este ano, o modelo cabo-verdiano fez a sua a estreia nas passerelles na última edição (52ª) da Moda Lisboa, em Portugal, em que desfilou para o criador português Nuno Gama.

“Foi uma oportunidade única”, recorda o jovem e acrescenta que fez vários contactos e acabou por conhecer vários modelos cujo percurso só acompanhava via as redes sociais.

Sem entrar em detalhes, Anilton diz que as perspectivas para o futuro são muito boas e que em breve espera ter novidades para contar.

Questionado sobre o que pensa do mercado da moda em Cabo Verde, o modelo diz acreditar que “existem muitas pessoas com potencial em Cabo Verde, mas o mercado localmente é pequeno e não há grande aposta na área da moda”.

“Consegui (chegar onde queria) com 21 anos, mas não foi fácil. Lutei muito, corri atrás dos meus sonhos. Apelo às pessoas para que lutem pelos seus sonhos”, diz em forma de incentivo aos jovens que ambicionam ter uma carreira na moda.

Estudante do primeiro ano de Engenharia Civil, Anilton acabou por trancar a matrícula para continuar a lutar pelos seus objetivos na moda. “Como diz a minha mãe, nunca é tarde para continuar a estudar. E vou faze-lo”.

“Onde se vê dentro de 10 anos?” Seguramente como top model, responde o jovem.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.