Não está distante o tempo áureo das sementes de chia, entre outras, e subsequente (e rápida) queda na tabela dos poderosos no reino alimentar. Um facto recordado pela nutricionista Cláudia Viegas que nos responde a seis perguntas sobre os benefícios, ou não, desta categoria alimentar de contornos hiperbólicos.

Bom senso nas escolhas, diversidade alimentar e nutricional, com preponderância dos produtos vegetais é o ponto de partida para esta breve conversa. No mais, Superalimentos, de acordo com Cláudia Viegas, apenas para nutrir a ficção-científica da cartilha nutricional.

Cláudia Viegas, sejamos diretos nesta aproximação aos superalimentos. Existem ou são uma ficção?

Não revejo a dieta humana nos superalimentos. A alimentação, ou o conjunto do que obtemos através dos alimentos que ingerimos, decorre de uma mesa equilibrada e da proporção correta que nos traz o aporte nutricional. Há um alimento, ou outro que é muito rico num determinado nutriente, mas isso não responde às nossas reais necessidades alimentares.

Superalimentos: “Super” é uma alimentação variada, equilibrada e de base vegetal
Bagas de goji.

Em suma, é errado escolher um grupo de alimentos, elevando-os à categoria “super”, justificando que desta forma estamos a seguir uma dieta equilibrada. Acresce que isso nos pode levar a cometer erros alimentares. Isto porque temos a perceção de que, ao ingerirmos esse ou outro alimento `poderoso`, estaremos a colmatar a falta dos restantes.

A alimentação, ou o conjunto do que obtemos através dos alimentos que ingerimos, decorre de uma mesa equilibrada e da proporção correta que nos traz o aporte nutricional.

O leite, por exemplo, é um superalimento. Ou não?

Nunca podemos dizer que há um alimento que suprime todas as necessidades nutricionais. Peguemos, então, no leite. Defendeu-se que era um alimento completo. É um alimento rico, sem dúvida, em proteínas, glícidos, cálcio, mas é muito pobre em ferro. Não há, de facto, nenhum alimento que supra todas as necessidades.

Há aqui, subjacente, uma estratégia de mercado, de pressão de consumo face a determinados alimentos?

É uma estratégia para vender determinados produtos, muitas vezes encarecendo-os. O consumidor torna-se disponível para pagar mais. No inverso, podemos ter uma alimentação muito mais equilibrada e mesmo mais barata.

Repare, no que respeita à alimentação, há ansiedade por parte das pessoas. Estas procuram uma espécie de fórmula mágica para resolver os seus problemas, para atingir um objetivo. Na prática, querem uma resposta simples e rápida para resolver os problemas da alimentação quando, na realidade, devem comer nas proporções certas e de forma variada.

Superalimentos: “Super” é uma alimentação variada, equilibrada e de base vegetal
Sementes de chia.

Estamos no âmbito das modas alimentares?

Tem havido uma vaga de modas em torno de superalimentos específicos. Em poucos anos, assistimos à ascensão e queda de alimentos elevados ao estatuto de “super”, como as sementes de chia que, face ao consumo muito elevado, se percebeu poderem ter efeitos prejudiciais. O mesmo podemos afirmar em relação à linhaça, às bagas de goji, ao abacate, só para citar mais um trio de exemplos.

A Cláudia referiu a diversidade alimentar. Como se consubstancia?

Há uma mensagem que é preciso passar, a alimentação tem de ser de base vegetal. Mais de 75% dos alimentos que ingerimos têm de ser vegetais. Não estou a dizer que temos de praticar uma dieta vegetariana. No Ocidente privilegiamos muito os alimentos de origem animal, quando devemos, sim, enfatizar os vegetais. Acresce que muitas vezes estamos a consumir superalimentos que, sequer, são produtos locais. Logo, estamos aqui a falar de sustentabilidade alimentar e de escolhas mais racionais.

Desvalorizamos muito a nossa gastronomia tradicional que é muito rica nos produtos de origem vegetal e, muitas vezes, pervertemos essa dieta e comprometemos a alimentação equilibrada.


Cláudia Viegas é Professora Adjunta na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Os seus principais interesses de investigação estão relacionados com Saúde Pública, em particular o que se relaciona com a Promoção e Proteção da Saúde em relação à Alimentação, Nutrição e Estilos de Vida.

Superalimentos: “Super” é uma alimentação variada, equilibrada e de base vegetalb