Rebecca Rütten, uma alemã nascida em 1991, olhou para as grandes obras da pintura do período renascentista, de mestres como Caravaggio, e viu-lhes um caráter semelhante ao que, hoje, encontramos na forma quase divina como encaramos a fast food.

No projeto “Contemporary Pieces”, a cineasta germânica, sediada em Berlim, questiona os hábitos alimentares nascidos com a industrialização, partindo de alguns ícones da comida massificada do nosso tempo, como as pizas, os donuts, os tacos, os refrigerantes.

Para as fotografias que captou inseridas neste projeto, Rebecca convidou amigos para posar. O resultado são cenas de estúdio construídas, tão artificiais como a própria comida que a alemã retrata.

A abundância de alimento que encontramos nalgumas das fotografias tem um significado para a criadora, representando a abundância, o excesso e a facilidade de acesso aos bens alimentares industriais. Por oposição, está a dieta baseada em produtos naturais, muitos deles caros e inacessíveis às classes com menores rendimentos.

Na preparação deste trabalho, Rebecca estudou a fundo as técnicas de pintura, a iluminação e a disposição dos elementos dos clássicos da pintura renascentista. A fotógrafa constatou a força e o carisma das telas daquele período, algo que encontrou, por exemplo, nas tatuagens e piercings dos seus amigos.