Neste momento eu me encontro exactamente no mesmo local, aliás na mesma casa onde há dois anos basicamente visualizei e projectei tudo o que vivi nas ilhas de Cabo Verde neste tempo.

Exactamente dois anos atrás eu reservei o meu bilhete de viagem para Março de 2015, escrevi uma carta resignando o meu posto de trabalho como Directora de Comunicação numa fundação dedicada à erradicar a discriminação com base no género e construi o meu vision board com o meu plano de vida detalhando as minhas intenções para uma nova fase.

O vision board é algo que eu, e na verdade os meus amigos mais próximos nos EUA costumamos fazer para projectar os nossos sonhos e planos de vida.   Já fizemos isso como equipa de trabalho para traçar os nossos objectivos pessoais, profissionais e para a empresa onde trabalhávamos porque reconhecemos o poder que esta práctica tem em nossas vidas, e sempre nos trouxe bons resultados.

É com imensa gratidão e felicidade que comunico aqui que segui em frente com os meus planos, por mais loucos que podem ter aparentado ser e que sim, no final, esse ciclo de dois anos desde a tomada da decisão de viajar até o fecho desta primeira parte, consegui alcançar os meus objectivos.  Partilho tudo isso hoje com vocês porque a minha intenção sempre com esse editorial tem sido a de ajudá-los a se sintonizar com os seus verdadeiros desejos de alma e concretizar os seus sonhos, porque é para isso que estamos aqui.  E por isso hoje explico exactamente como fiz para viver o meu sonho e como todos vocês podem fazer o mesmo, seguindo as seguintes indicações.

Passo I: Decida!  Já falei muito aqui no editorial em outras ocasiões sobre as experiências que eu vivi no ano de 2014 e como me levaram a tomar a decisão de finalmente seguir para fazer o que sempre quis.  Mas sempre é bom repetir!  Naquele ano eu e a minha irmã RR fizemos um trato: comprometer com dividir um apartamento e usar o prazo de renovação de aluguer (12 meses) como prazo para embarcarmos finalmente nas nossas respectivas jornadas.  Não sei se vocês os leitores alguma vez perceberam que existe um pouco de magia nesse acto de tomar uma decisão.  Ao chegar ao ponto de querer virar a página, ao decidir o que se quer, o Universo começa imediatamente por conspirar em nosso favor.  Sabiam disso?  Podem experimentar, tomando uma decisão somente, por mais pequena que ela seja e de repente verão como pessoas, factores, lugares, tudo é movido para ajudá-lo a chegar ao fim que pretende.  Foi exactamente isso que aconteceu connosco.  Podíamos muito bem termos desistido, mas nunca pensámos nisso, e dou graças agora por ter feito esse pacto com a minha irmã porque ela é forte de espírito e não muda de opinião facilmente.  Ela sempre soube seguir em frente de acordo com os seus desejos mais íntimos e hoje compreendo que a sua determinação me ajudou a continuar e não desistir.  Tivemos também na altura alguns visitantes que chegaram de Cabo Verde e de Portugal e que ficaram hospedados connosco no nosso novo lar.  Todas essas pessoas que chegaram me ajudaram a ver com mais claridade como realmente eu desejava viver.  Conversando com elas, partilhando refeições, passeando por lugares que havia muito que não visitava, senti a urgência profunda dentro de mim de finalmente ir viver a vida que me esperava.

Passo II: Visualize!  Após termos tomado a nossa decisão as nossas mentes começaram a ferver com ideias.  A nossa avó era quem nos escutava incansavelmente enquanto falávamos de como iríamos concretizar os nossos sonhos e viver na ilha de Santo Antão.  Isso afinal sempre havia sido o sonho, regressar para aquela ilha onde como costumo dizer – apenas nasci e passei todas as minhas férias de infância enquanto que a minha irmã apenas foi conhecer quando tinha 13 anos de idade.  Hoje claro, entendo que na verdade eu nunca deixei de viver na ilha de Santo Antão, e de uma certa forma a minha irmã sempre viveu nas ilhas tropicais.  É um questão de perspectiva.  Mas voltando ao assunto, todos os dias criávamos novas estratégias de como exactamente pretendíamos viver e todas as nossas ideias e os nossos planos de trabalho, de independência, de sustentabilidade, de lazer, tinham um elemento em comum – ajudar as pessoas a viver da melhor forma possível.  Agora ao escrever e ao lembrar disso me sinto tão feliz por ter uma irmã que comparte desses mesmos valores e que entende que estamos todos aqui para viver da melhor maneira possível e ajudar os outros a fazer o mesmo.  Ninguém veio a esse mundo para se sentir frustrado com a vida que leva, viver exausto pelos afazeres diários ou estagnar na sua evolução.  Todos temos um caminho a percorrer, uma missão muito importante para cumprir e todos merecemos viver bem, tendo tempo suficiente para dedicar às actividades pelas quais as nossas almas anseiam.

Passo III: O Vision Board.  Ao mesmo tempo que visualizávamos as nossas vidas de como pretendíamos fazer para, em poucas palavras, salvar o mundo (não é isso no fundo o que todos fazemos?) colocámos todos os nossos planos no papel.  Eu ainda guardo comigo documentos extensos e muito detalhados que descrevem exactamente os meus objectivos naquele tempo.  Mas para além disso, esboçámos todos os nossos planos e utilizando fotografias, frases recortadas de revistas, fizemos um vision board ou seja, um quadro que espelhava toda a nossa visão do futuro que queríamos construir.  Como podem ver na foto, o meu vision board ficava mesmo em cima da cabeceira da minha cama, e assim todos os dias acordava e olhava para a parede imaginando como seria quando tudo se materializasse.  Eu utilizei os post-its gigantes e colei na parede do meu quarto toda a ideia base dos projectos que pretendia levar adiante em Cabo Verde.  O vision board é uma ferramenta crucial pois nos força a ir além da nossa imaginação, acreditar profundamente na nossa capacidade e visualizar o plano nos mínimos detalhes.  O poder da visualização é verdadeiro.  Se pararmos para pensar, podemos entender que realmente tudo o que vivemos no dia a dia é resultado do que pensamos e visualizamos.  Se ainda nos encontramos na mesma situação, ano após ano sem mudança alguma é porque não temos dado à vida a oportunidade de mudar, não temos visualizado outro tipo de vida, ou acreditado fortemente na nossa capacidade de lutar para uma outra realidade, ou por vezes por continuarmos a pensar que só merecemos o que temos neste preciso momento.   É por isso que criar um quadro com as imagens das experiências que queremos vivenciar e ainda com frases de incentivo estrategicamente espalhadas no lar onde vivemos faz toda a diferença no processo de clareza, decisão, visualização e realização.

Passo IV: Agir.  Claro que nenhum plano, por mais bom e positivo que seja pode seguir em frente se não partimos para a acção.  Por isso, por mais pequeno que seja o primeiro passo, é sempre melhor dar este passo e seguir em frente, mesmo que vagarosamente.  A vida sempre acaba por nos mostrar o caminho a seguir.  Pessoas, coisas, circunstâncias no mundo inteiro mudam de lugar simplesmente para nos ajudar a concretizar os nossos objectivos.  Tenho comprovado isso há muito mas principalmente todos os dias durante este últimos 21 meses que estive em Cabo Verde e continuo comprovando isso hoje.  O problema que muitas pessoas enfrentam ao sonhar é que não acreditam neste poder que todos temos de fazer com que tudo o que queremos materialize em nossas vidas.  Decidir e visualizar já são passos muito importantes.  Agir requer algo mais de nós.  Acordar todos os dias preparados para agir de modo a realizar o que pretendemos conseguir.  De certa forma temos que ser um pouco obcecados com os nossos sonhos para podermos nos alimentar das energias que necessitamos para levar a cabo o nosso plano.  Acreditar o suficiente para cair de cabeça e logo descobrir, assim como eu descobri, que sim podemos nadar no alto mar sem coletes de salva vidas.  A nossa vivência é apenas o resultado dos nossos pensamentos e todos podemos mudar a nossa forma de pensar e de ver as coisas para podermos alcançar as metas que traçámos para esta vida.

Então, qual era exactamente o meu plano dois anos atrás?  Em poucas palavras era viver com jovialidade, livre, e feliz.  Tanto que tinha essa frase espalhada pela casa inteira.  Mas para que chegasse até aqui, haveria que traçar um plano.  Mas e você que está a ler este artigo agora, qual é a frase que lhe incentiva?  Quantos planos gostaria ainda de realizar?  A vida é agora e todos precisamos seguir aquela voz dentro de nós que sempre nos diz por onde devemos ir.  Aproveite!

Com sodade, sempre.

BJS,

Nuria