"A vacina será disponibilizada para os heróis que estão na linha de frente [na luta contra a pandemia] e que correm maior risco de contrair o vírus", escreveu no Twitter a Autoridade Nacional de Gerenciamento de Crises e Desastres (NCEMA).

O laboratório chinês Sinopharm começou a testar uma vacina em julho nos Emirados Árabes Unidos.

Mais de 30 vacinas estão a ser testadas em humanos em todo o mundo na esperança de acabar com a pandemia.

"Os testes clínicos de fase III [nos Emirados] continuam sob a supervisão estrita das equipes médicas", disse a NCEMA.

A vacina foi testada em 31.000 voluntários em todo o país, com efeitos colaterais "leves e esperados", disse a NCEMA, acrescentando que 1.000 voluntários com doenças crónicas não apresentaram "complicações".

Os Emirados já anunciaram mais de 80.000 casos, incluindo 399 mortes pela COVID-19.

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte de mais de 929 mil pessoas e infetou mais de 29,3 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com o balanço da agência francesa de notícias, hoje às 11:00 TMG (12:00 em Lisboa), já morreram pelo menos 929.391 pessoas e 29.329.390 foram infetadas em 196 países e territórios desde o início da epidemia de covid-19, em dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan. Pelo menos 19.536.900 casos já foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.