Isabel Tavares falava em declarações à imprensa esta quinta-feira, à margem de uma sessão de rastreio de retinopatia diabética, que teve lugar no Centro de Saúde de Achada Santo António, para assinalar o Dia Mundial da Visão, que se comemora hoje.

Segundo uma nota do Governo, a organização Mundial da Saúde estima que 60 por cento (%) das cegueiras são evitáveis, propondo uma redução em 25% da mesma até 2019.

“A missão da iniciativa global 2020 é eliminar as principais causas de cegueira evitável e tratável como questão de saúde pública até o ano de 2020”, destaca o documento.

Entretanto, para a coordenadora do programa e médica oftalmologista, Cabo Verde poderá não eliminar a cegueira, mas está em condições de pelo menos melhorar a saúde ocular dos cabo-verdianos e caso atinjam os 25% a 35% das cirurgias de catarata estarão a cumprir com o objectivo da OMS.

Segundo realçou, o país tem apostado em realização de cirurgias de catarata no Hospital Agostinho Neto, e ainda tem contado com o apoio de missões internacionais que realizam mais de 400 cirurgias nas suas deslocações ao país.

“Para a quantidade da população que temos e pelas cirurgias já feitas, o nosso país é candidato a melhorar, não falo em eliminação total da cegueira, porque há pessoas que acabam por ficar cegas devido a deficiência visual, mas vamos melhorar a qualidade de vida dos nossos pacientes e melhorar a saúde ocular em Cabo Verde” assegurou.

Para assinalar a efeméride, a Direção Nacional da Saúde em parceria com uma óptica portuguesa tem levado a cabo um rastreio de retinopatia diabética na ilha de Santiago, que deverá terminar esta sexta-feira, 12, na cidade de Assomada.

Dos 110 pacientes diabéticos analisados até agora, informou, quatro foram diagnosticados com retinopatia diabética em estado grave e que já não é necessário fazer o tratamento a leaser no país, necessitando de tratamento cirúrgico fora do país.

Sem apontar os dados dos cabo-verdianos com problemas de visão, devido à falta de atualização dos dados, Isabel Tavares disse que hoje em dia, com o uso abusivo das novas tecnologias, cada vez mais pessoas estão a ter problemas refletivos, principalmente miopia e tem recorrido a uso de óculos para melhorar a sua visão.

Uma vez que o maior problema de visão enfrentado pelos cabo-verdianos é de catarata, miopia em crianças e retinopatia nos diabéticos, a oftalmologista recomenda os pais a levarem as crianças cada vez mais cedo para as consultas e a estarem mais atentos aos cuidados a ter com a visão, com vista a lutar contra a deficiência visual e a cegueira.

O país conta neste momento com apenas oito oftalmologistas nacionais e três colaboradores cubanos.