Quando o calor chega, as nossas roupas tornam-se mais leves e enchem-se de cor. E o mesmo acontece à nossa alimentação! As frutas e os vegetais ficam ainda mais apetecíveis e as saladas assumem protagonismo à hora das refeições. Mas até que ponto esse tipo de alimentação é o mais saudável? A verdade é que, seja no verão ou no inverno, o segredo de uma alimentação equilibrada é sempre o mesmo, variedade.

Se seguir as regras que lhe indicamos de seguida, poderá adotar as saladas e os pratos mais leves como as suas refeições de eleição para este verão. Diariamente, mesmo quando o calor não desperta grandes apetites, não deve excluir nenhum grupo alimentar nem estar mais de três horas sem comer. De acordo com a nova Roda dos Alimentos, os cereais, derivados e tubérculos devem perfazer 28% da sua alimentação.

As hortícolas 23%, a fruta 20%, os laticínios 18%, as fontes de proteínas 5%, as leguminosas 4% e as gorduras 2%. Bem sabemos, no entanto, que, com a chegada das férias, o cumprimento de horários e de regras à mesa torna-se uma tarefa mais difícil, mas, ainda assim, possível de cumprir, desde que tenha força de vontade para isso. Terá de começar por não deixar de tomar o pequeno-almoço, composto por pão ou cereais, laticínios e uma peça de fruta. De resto, os frutos e iogurtes constituem uma excelente opção para os lanches a meio da manhã e da tarde.

No verão, as saladas são frequentemente a opção preferida como prato principal. O seu grande sucesso deve-se essencialmente ao facto de serem leves e frescas. Mas, mais importante do que isso, para poderem ser classificadas como uma refeição completa, devem ser equilibradas. Não basta pois que escolha uma versão composta apenas por agrião e cenoura. O ideal é que a salada contenha sempre legumes e frescos.

A cenoura, a alface, o pepino e o tomate são boas opções. Além desses, também deve incluir hidratos de carbono, como os cereais, as batatas e as massas, a par de leguminosas, como o feijão, o grão e as favas. Deve ainda adicionar fontes de proteínas, como a carne, o peixe, os ovos ou ainda o queijo. Se optar pelos ovos, assegure-se que estão bem cozinhados. Se preferir marisco, compre-o em lojas de confiança.

Deste modo, estará a evitar o risco de intoxicação alimentar, muito frequente nesta fase do ano. No caso de gostar de queijo, resista às versões que contêm mais de 45% de gordura. Uma boa opção para satisfazer esse apetite sem prejudicar a sua saúde é o queijo fresco. Já os enlatados podem ser consumidos até quatro vezes por semana, desde que os escorra e passe por água para os libertar de gorduras e sal em excesso.

Os melhores temperos para o verão

A sua salada perfeita pode, contudo, ficar totalmente arruinada se optar por temperá-la com os ingredientes errados, um erro que muitos portugueses cometem. Deve evitar molhos e maionese, que oferecem gordura em excesso e que favorecem, em tempo de calor, a proliferação de bactérias. Não deve usar esse tipo de condimento especialmente se estiver exposto ao sol ou ao calor. Para temperar a salada, prefira azeite.

Substitua o sal por especiarias, experimente utilizar limão em vez de vinagre ou prepare um saudável, saboroso e nutritivo molho de iogurte. Caso tenha escolhido uma salada para o almoço, à noite não deixe de iniciar o jantar com uma sopa, uma opção excelente nomeadamente para hidratar o organismo nestes dias de maior calor, seguida de um prato composto por hidratos de carbono, proteínas, legumes ou salada.

O seu corpo agradece. Para lavar de forma eficaz os ingredientes das suas saladas, mergulhe-os durante cerca de 10 minutos em água temperada com lixívia, utilizando uma colher de sobremesa para cinco litros de água. Se necessário, escove os legumes com uma escova pequena. Neste período, também aumenta o consumo de gelados. Para saber quais são aqueles que deve privilegiar nestas e nas outras semanas, clique aqui.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.