Meghan Markle teve um percurso no mínimo atribulado desde que começou a namorar com o príncipe Harry. Os desafios aumentaram mais após o seu casamento, quer a nível interno - dentro do palácio -, quer exteriormente, com as constantes críticas por parte dos tabloites britânicos.

Se no início, a ex-atriz não sabia propriamente o que esperar desta mudança radical na sua vida, o mesmo princípio não se poderá aplicar ao sogro, o príncipe Carlos.

Em declarações ao jornal The Sun, o especialista em realeza Nigel Cawthorne, autor do livro 'Prince Andrew, Epstein and the Palace', explicou que Carlos previu os problemas que a nora teria de enfrentar.

"Acho que o príncipe Carlos gosta de mulheres fortes, mas no palácio apenas há lugar para a rainha", afirmou.

"Penso que ele previu problemas consideráveis para a realeza. O Harry e a Meghan amplificaram a popularidade da família real de uma forma que o príncipe André e Fergie fizeram", recordou.

Quanto ao afastamento dos duques de Sussex da família real, Cawthorne sublinhou que pessoas próximas de Carlos lhe explicaram que não iria haver oposição, uma vez que a diminuição do núcleo duro da família já era um objetivo a longo prazo.

No final de tudo, o escritor defende que não havia nada que Carlos pudesse fazer para evitar os problemas que Harry e Meghan enfrentaram. "Não havia muito que ele pudesse fazer a não ser oferecer o seu apoio moral. Não há dúvida que ele lamenta o facto de que não verá o filho e a família como gostaria. Ele gosta de tradição e de ordem", completou.

Leia Também: Harry e Meghan Markle cobram valor astronómico por presenças em eventos

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.