Carta Aberta: Para todo o rapaz, daquela que desapareceu

"Que pena que apesar de tudo o que viveram, hoje só consegues chegar a esta conclusão ilusória! Se ela sempre esteve aí do teu lado apesar de pressentir que te afastavas."
créditos: Site Nuria Natural

Caro rapaz,

Antes de mais quero que saibas que entendo perfeitamente o teu raciocino.   Afinal ela deixou de te procurar.  E assim como dois mais dois são quatro, foi-te fácil concluir o óbvio.  Ela desapareceu.  Não quis mais saber de ti.

Que pena que apesar de tudo o que viveram, hoje só consegues chegar a esta conclusão ilusória!  Se ela sempre esteve aí do teu lado apesar de pressentir que te afastavas.

Ela não desapareceu.   E tão pouco deixou de se importar contigo como muitas vezes pensaste, e por certo, de vez em quando ainda pensas.  Sequer deixou de te ver nos seus sonhos.  Mas disso talvez jamais saberás!

Simplesmente decidiu não mais apegar a algo que parecia querer afastar dela cada vez mais, por mais que ela quis o contrário.  Por isso resolveu confiar na vida e traçar um novo roteiro.

Mas ela continua ali, a lutar pela concretização dos seus sonhos, a acreditar no poder de um novo amanhecer, a acreditar no poder do amor que leva dentro.  A querer-te bem!  Muito bem!  Porque embora não te procure, é só sentindo assim, pensando assim, vivendo assim que ela pode aceitar, ultrapassar, perdoar, lutar e sorrir.  Todos.  Os.  Dias.

De outro modo quase nada faria sentido.  E como dona dos seus próprios pensamentos e consciente do poder destes em tudo o que reina a vida neste Universo, ela jamais pensaria de outro modo.

No entanto continuas a pensar que ela desapareceu.  Quiçá porque não telefona, ou talvez por ser a primeira que nunca te envia mensagens, postais ou presentes.  Mas ela nunca esteve tão perto, pois carrega dentro os ensinamentos, embora por vezes difíceis de decifrar, compreender e assimilar, da bela história que um dia viveram.

Ela acreditou nas voltas que a vida dá.  Amou a si mesma como nunca havia amado antes.  Manteve a serenidade e deixou-te livre nas tuas escolhas e nas tuas decisões.

Mas para ti, pelo menos ainda por muito tempo, ela continuará a ser aquela “que desapareceu,” ou aquela que desistiu desde cedo.  Aquela que não te compreendeu, que não mais te quis, que não se importou ou não amou o suficiente para ficar, para esperar.  Esqueceste que a própria matemática tem os seus problemas e a lógica por vezes falha.  Ela desapareceu, continuas a pensar.

Como te enganas meu caro, pois ela sempre foi e será tua amiga!

Quem sabe um dia entenderás isso.  Quem sabe os dois entenderão que ambos apenas agiram de acordo com o que sabiam acerca da vida em outros tempos.

E compreenderás então, assim como ela compreende agora que tudo ocorreu da melhor forma para que pudessem avançar e cumprir com as suas respetivas missões nesta vida neste planeta, nestes tempos.

Pense bem e verás que sempre soubeste da verdade, mas que nem sempre estiveste devidamente preparado para vê-la, enfrentar-la  e aceitar-la.  Talvez porque na altura não te convinha.  Talvez ainda não te convém.  Não faz mal.  Nada disso agora importa.

Importa sim seguir adiante, confiante na própria vida que sempre se encarrega de colocar tudo no seu devido lugar.  Seja feliz com os que se encontram ao teu lado hoje, pelas histórias vividas e pelas histórias que irão viver um dia.

Continue a sorrir porque no final de tudo há sempre uma pequenina chance de que aquela que deixaste escapar ainda é guiada pela recordação do teu sorriso e da tua contagiante alegria de viver.  Viva plenamente!

Carinhosamente, sempre.

Daquela Que Desapareceu

Veja mais no site Nuria Natural

artigo do parceiro:

Comentários