Ser vegan não é um bicho-de-sete-cabeças, mas é preciso acautelar carências nutricionais

Nem queijo, nem leite, mel, carne ou peixe. Os cerca de 60.000 veganos em Portugal praticam uma filosofia de vida que exclui tudo o que é de origem animal e são cada vez mais os que nem sequer usam lã, couro ou seda.

Segundo um estudo promovido pelo Centro Vegetariano e divulgado este ano, o número de vegetarianos em Portugal quadruplicou na última década. São agora 120.000 os portugueses que seguem um regime alimentar vegetariano, metade dos quais seguem alimentação vegana (não consome carne, peixe, ovos ou laticínios).

Mas ser vegano é mais do que isso. É uma filosofia de vida diferente, que vai muito além da alimentação. E é mais do que uma moda.

“Uma moda é algo que entra em crescimento e depois entra em declínio, por exemplo, como nova marca de roupa ou sapatos. No vegetarianismo e veganismo há um crescimento contínuo e estável. Os dados que apontam para um crescimento de 400% nos últimos 10 anos vêm mostrar isto mesmo”, afirma Nuno Alvim, presidente da Associação Vegetariana portuguesa (AVP).

Veja ainda10 coisas que tem de saber antes de ser vegan

Leia também: Estes são os 20 vegetais mais saudáveis

Também ele vegano há 10 anos, diz que é “cada vez mais prático, mais fácil e mais conveniente” e, na véspera do Dia Mundial do Veganismo, que se assinala na quarta-feira, dá o exemplo da quantidade de opções já existentes nos grandes supermercados e do número de restaurantes que, ou são estritamente vegetarianos, ou pelo menos oferecem essa opção.

Reconhece que foi a maior preocupação com a saúde que levou muitos portugueses a reduzirem o consumo de produtos de origem animal nos últimos anos, procurando mais produtos naturais, vegetarianos e biológicos.

Nem todas as crianças têm acesso a comida vegetariana

Apesar da obrigatoriedade da opção vegetariana nas cantinas públicas desde o início do ano letivo, Nuno Alvim diz que ainda há pais que se deparam com esta dificuldade: “Já tivemos contactos de pais que não conseguem que os filhos acedam [a comida vegetariana] porque ainda enfrentam o preconceito e o mito relativamente a esta alimentação”.

Comentários