Dieta: O açúcar escondido nos alimentos

O desejo pelo sabor doce é inato e comum a todas as idades, raças e culturas. O prazer sensorial que ocorre aquando da degustação de substâncias doces, deriva da ativação de determinadas zonas cerebrais e parece ser semelhante à resposta provocada pelo álcool e drogas opiáceas.

Importa ainda considerar que, mesmo antes do nascimento, parece haver uma capacidade para detetar o sabor doce aquando do consumo de açúcares pela mãe. Assim, a dieta materna durante a gestação, bem como durante o período de aleitamento materno, pode influenciar o desenvolvimento de preferências alimentares nas crianças.

No que respeita ao impacto destes alimentos na saúde, tem-se verificado uma forte relação entre o consumo de açucar e o aumento do risco de desenvolvimento de doenças crónicas não transmissíveis – como obesidade, diabetes mellitus tipo 2, dislipidemias, inflamação, doenças cardiovasculares e caries dentárias.

Assim, e dado que todos os macronutrientes (hidratos de carbono, gorduras e proteínas) têm um papel importante para o bom funcionamento do organismo, o açúcar qe se encontra naturalmente presente nos alimentos (mel, fruta e sumos de fruta naturais, laticínios, cereais) é suficiente para satisfazer as suas necessidades. Alimentos com açúcares adicionados (refrigerantes, bolos, sobremesas e alimentos processados) devem ser evitados e “guardados” para dias de festa. Por outro lado, mesmo os produtos “sem adição de açúcar” poderão ter substâncias equivalentes. Assim, pela consulta da lista de ingredientes podem identificar-se o açúcar amarelo, açúcar mascavado, sacarose, glicose, mel, frutose, dextrose, açúcar invertido, maltose, mel, xarope de glicose, xarope de milho, maltodextrinas, melaço.

Assim, por forma a reduzir a quantidade de açúcar da alimentação recomenda-se limitar o consumo de alimentos e bebidas açucaradas, ingerir frutas e vegetais crus em vez de lanches açucarados, reduzir a quantidade de açúcar adicionado a receitas e preparações culinárias, preferir sabores naturais como iogurte natural e leite simples, evitar o consumo de guloseimas (gomas, rebuçados, chocolates…), optar por fruta como sobremesa do dia a dia, comparar alimentos considerando os rótulos alimentares e preferir os que contêm menos açúcar ou outros substitutos

Rita Pereira

Nutricionista Holmes Place Dolce Vita Tejo

artigo do parceiro:

Comentários