Sob o lema “Somos Cabo Verde – Somos um só, em prol da igualdade”, a cidade da Praia acolheu nesta sexta-feira, dia 6, mais uma edição da Gala Somos Cabo Verde – Os Melhores do Ano.

O evento que já vai na sua IV edição arrancou por volta das 21h30 com o habitual glamour na passadeira vermelha sob o comando dos apresentadores Hélio Cabral, Vera Cruz e Sarah Semedo, em representação da Diáspora.

O relógio marcava 22h20 quando se deu o tão aguardado pelos presentes o início da gala.  A IV edição arrancou com a atuação dos dançarinos Miriam Medina e Flávio Gonçalves, seguido da atuação em homenagem à morna de vários artistas cabo-verdianos como Sílvia Medina, Vacy Chantre, Tibo Évora, Naná, bem como a uma performance de dança da Escola Nicole.

Como já é habitual, o carismático DJ Bife foi o apresentador da gala que nesta edição esteve sozinho em palco mas sempre bem-humorado.

O prémio na categoria “Solidariedade” foi o primeiro a ser entregue e foi para Organização das Mulheres de Cabo Verde (OMCV). O troféu foi entregue pelo jornalista Marco Rocha e pela presidente do ICIEG, Rosana Almeida, que pediu um minuto de silêncio pelas mulheres que recentemente perderam a vida vítimas de VBG.

A Associação Pelorinhu venceu na categoria “Voluntariado” e o responsável da instituição dedicou o prémio aos jovens de Achada Granade. De seguida, Eder Monteiro e Garry subiram ao palco e deram início aos Duetos Improváveis. Os  jovens artistas interpretaram “Ami é di Txan”, o single do álbum de estreia do cantor foguense.

O troféu de “Inovação e Empreendedorismo” foi para a empresa BD Protect que chamou a atenção das entidades oficiais para terem mais atenção aos jovens empreendedores nacionais.

A empresária Aleida Gomes Cardoso foi a vencedora na categoria “Empresarial”. “Primeiramente, foi uma surpresa. Quando vemos uma presença tão forte de mulheres nesta categoria faz-nos acreditar no poder feminino”, afirmou a vencedora.

Pelo quarto ano consecutivo, a modelo santantonese Alécia Morais foi a vencedora na categoria “Moda”. A modelo que não pode estar presente devido a motivos profissionais enviou um vídeo a agradecer pelo galardão, onde por lapso aparecia uma legenda que anunciava Djodje como vencedor da categoria "Música", facto que veio a concretizar-se mais à frente.

Antes do intervalo, os artistas Diva Barros e Mito Kaskas subiram ao palco para o segundo Dueto Improvável tendo levado o público a rubro.

A segunda parte da gala arrancou com os CV Nóia que proporcionaram um momento de gargalhadas aos convidados.

Seguiu-se o prémio na categoria “Diáspora” que foi para a estilista cabo-verdiana Alzerina Gomes que reside nos EUA.  A designer de jóias, natural de Santo Antão, dedicou o prémio à mãe que lhe terá ensinado que a vida é feita de sacrifícios.

“Esse prémio é a prova de que tenho de continuar a levar o nome de Cabo Verde além-fronteiras” disse.

Internacionalização do evento

De seguida, foi anunciada a grande novidade do Somos Cabo Verde que no próximo ano será internacionalizado. Em 2019, tem lugar o Somos Cabo Verde Holanda.“No próximo ano, vamos iniciar o Somos Cabo Verde num formato mais pequeno na Diáspora.Com a mesma estrutura, mas com algumas adaptações aos países. O evento “mãe” será sempre em Cabo Verde e depois, pontualmente, noutros países. Primeiro será em Holanda e já estamos a falar com a França e EUA. Estamos a promover o Somos Cabo Verde e isto é a essência.”, explicou Margarida Conde ao SAPO mais tarde.

A “Associação Crianças de Hoje e Amanhã”, sediada em Paris, foi distinguida com o prémio “Responsabilidade Social” pelo trabalho que tem vindo a desenvolver há 30 anos em prol das crianças.

Ivan Medina, que estava nomeado no “Desporto”, foi o vencedor nesta categoria. O basquetebolista não esteve presente e o prémio foi entregue à mãe.

De seguida Nissah Barbosa e os Filhos di Codê di Dona idealizaram mais um Dueto Improvável. Um momento de rap e Cotxi Pó que caiu no agrado dos presentes.

O escritor José Luís Tavares foi vencedor na categoria “Cultura”. “Já ganhei vários prémios na literatura, mas este é uma surpresa” disse durante o seu discurso.

Na categoria “Música” o cantor Djodje levou a melhor. O músico que também não esteve presente na gala enviou um vídeo a agradecer o galardão que dedicou à família, fãs e à Broda Music.

Depois de uma mensagem enviada pela primeira-dama, Lígia Fonseca sobre os Direitos Humanos, Tito Paris e Nelson Freitas subiram ao palco para mais um Dueto Improvável a encerraram a segunda parte da gala.

A terceira e última parte da gala iníciou com uma homenagem a algumas personalidades e artistas cabo-verdianos falecidos no último ano como é o caso de Tunga Né, Djony da Luz, Jaime Melo, entre outros. Durante a projeção dos nomes dos falecidos, a associação Gota d’Arte interpretou o tema “Aleluia”.

Seguiu-se a vez da entrega dos prémios na área de Comunicação Social. O jornalista Hermínio Silva foi o vencedor na categoria “Online”, Gisela Coelho venceu na categoria “Escrita”, Miriam Lopes dos Santos em “Rádio” e Hulda Moreira que recebeu o prémio das mãos da atriz portuguesa Rita Pereira, venceu na categoria “TV”.

Mário Lúcio que estava nomeado na categoria “Música” e Ga DaLomba realizaram o penúltimo Dueto de Improvável tendo interpretado o tema “Ilha de Santiago”.

Homem e Mulher do Ano

Este ano o prémio “Homem do Ano” foi para o artista plástico Tutu Sousa. “Para mim esse prémio é o reconhecimento do meu trabalho que tenho feito ao longo dos anos na área de artes plásticas para ter um Cabo Verde mais bonito. Confesso que não estava à espera do prémio porque tinha outros candidatos que têm feito um excelente trabalho no país” disse e acrescentou que o prémio é mais uma forma de mostrar que está num bom caminho.

Já na categoria “Mulher do Ano”, Maria Isabel Andrade, que reside há 23 anos em Moçambique, foi a vencedora .“Esse prémio é muito especial para mim porque é a primeira vez que recebo um galardão no meu país. Já recebi vários prémios internacionais, mas esse, de Cabo Verde, é especial. Este prémio tem outro sabor porque é na minha terra e acredito que qualquer uma de nós como mulher pode contribuir para o desenvolvimento do nosso país”, disse ao SAPO CV.

O antigo Presidente da República, o comandante Pedro Pires foi a personalidade distinguida com o prémio “Mérito e Excelência”.

A quarta edição da gala chegou ao fim já passava de 01h00 com o último Dueto Improvável entre os Corda do Sol e Djosinha que levou o público ao rubro que aplaudiu de pé.

Em forma de balanço Margarida Conde, da organização, disse que a IV edição do Somos Cabo Verde superou as restantes edições.

“A quarta edição superou as edições anteriores no sentido de houve mais emoção. Acho que cada edição tem o seu papel. A primeira foi uma aventura desconhecida num hotel que estava em obras porque estava a reabrir, a segunda já foi uma consolidação, a terceira veio a marca Somos Cabo Verde e a quarta esta notícia maravilhosa do que o Somos Cabo Verde vai para a  Holanda. Portanto nos quinto ano vamos fazer algo em grande. Estou muito feliz”.

A mesma fonte revelou ao SAPO que o objetivo da organização é internacionalizar a gala e que apesar dos erros vão concretiza-lo no próximo ano. “Isto é uma vitória, era um grande objetivo e vamos conseguir. Com erros, mas há que aprender com eles e melhorar de edição a edição. O balanço geral é que é uma gala com amor e quando é feito com amor e, por mais erros que possa haver, compensa todo o esforço de uma equipa”.

Veja as fotos da Passadeira Vermelha.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.