A secretaria informou em comunicado que os pacientes são estudantes da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Na semana passada, o Ministério de Saúde confirmou um surto de sarampo nos estados Amazonas e Roraima, norte do país, onde não havias sinais do vírus desde 2016.

Até 20 de junho, 463 casos (200 em Roraima e 263 em Amazonas) foram confirmados e 1.545 estão a ser  investigados, segundo informou o Ministério em um boletim.

As únicas duas mortes por sarampo este ano foram registadas Roraima, estado limítrofe com a Venezuela e principal receptor do crescente fluxo de migrantes provenientes do país. Foram, justamente, dois venezuelanos as vítimas da doença.

Estirpe brasileira é a mesma da Venezuela

A estirpe do vírus encontrado no Brasil é a mesma em circulação na Venezuela, país que sofre uma forte crise com elevada escassez de alimentos, produtos básicos e medicamentos. 

Segundo dados do Ministério da Saúde, até 11 de junho, dois casos de sarampo foram confirmados entre índios brasileiros na mesma região fronteiriça e outros 24 casos em indígenas venezuelanos. Ainda há 61 casos em investigação.

O sarampo é uma doença viral contagiosa, de transmissão respiratória. Manchas vermelhas na pele, febre, tosse e conjuntivite são alguns dos sintomas.