Tem uma boca saudável, dentes sem cáries, gengivas sem inflamação mas, apesar disso, o seu sorriso deixa muito a desejar? A solução está na estética dentária, uma especialidade dedicada à beleza da boca que pode mudar o seu rosto. Consultámos Gonçalo Macedo, médico dentista, para esclarecer todas as dúvidas sobre a beleza e a saúde oral, do branqueamento às coroas e facetas, passando pela ortodontia e pelos tratamentos.

1. Quais são os dentes que melhor se branqueiam?

Em teoria, os que estão mais pigmentados, os que apresentam uma coloração mais distante da sua cor original. Em primeiro lugar, os dentes com coloração amarelada, devido ao avanço da idade, por exemplo. Depois, os dentes com manchas acastanhadas e, por último, os dentes com coloração acinzentada.

2. O branqueamento provoca danos no esmalte?

Não, este é um dos mitos que deve ser desmentido. O esmalte permanece intacto. A única coisa que pode acontecer é um aumento da sensibilidade dentária, que desaparece após o fim do tratamento.

3. Quanto tempo dura o efeito de um branqueamento?

Depende da alimentação e hábitos da pessoa, nomeadamente do tabaco, do chá, do café, do vinho tinto, dos frutos vermelhos, do caril, dos espinafres e de outros corantes diminuem a duração do branqueamento. Mas, quando se branqueia a dentina em profundidade e se mantêm bons hábitos, o seu efeito pode durar entre cinco a dez anos.

4. Podemos saber de antemão como ficarão os dentes?

Sim, tendo em conta o tom inicial, é possível fazer uma previsão do tom que poderá ser alcançado.

5. Os dentes restaurados com amálgamas podem ser branqueados?

Podem, mas as restaurações não branqueiam. Portanto, no final do branqueamento, devem ser substituídas por restaurações da cor obtida após o branqueamento.

6. Se tiver as minhas gengivas inflamadas e com tendência para sangrar, posso fazer um branqueamento?

Primeiro, deve consultar um especialista para tratar o problema. Após resolução da gengivite, que causa o sangramento gengival, não há razão que impeça o branqueamento.

7. Os dentes desvitalizados podem ser branqueados?

Sim, mas o processo não é igual ao dos dentes saudáveis. Podem ser branqueados internamente, o que potencia o branqueamento.

8. A partir de que idade é que se pode fazer um branqueamento?

Desde a erupção definitiva dos últimos dentes definitivos, não considerando os sisos, desde que as gengivas estejam igualmente estabilizadas.

9. Quais os defeitos dos dentes que podem ser corrigidos com coroas e facetas?

A coroa dentária é um revestimento de cerâmica ou metal-cerâmica que cobre a totalidade das faces dentárias, enquanto a faceta cobre apenas a face vestibular, a face mais visível dos dentes. As facetas estão sobretudo indicadas para a resolução de problemas como a cor (quando o branqueamento não é satisfatório) e forma (pequenas más posições dentárias) de dentes vitais (em bom estado). Quando o dente já está desvitalizado, a opção é a coroa.

10. De que são feitas as coroas e as facetas?

Atualmente, as coroas mais usadas são as de cerâmica pura, embora ainda se façam coroas de metal-cerâmica. As primeiras permitem uma estética superior e mais duradoura, as segundas são mais económicas e usam-se em dentes menos visíveis. Quanto às facetas, são feitas em cerâmica ou compósito, sendo que as de cerâmica têm uma duração semelhante às coroas.

11. Como se colocam as facetas sobre os dentes?

São cimentadas com um material próprio para cada um dos tipos de coroa.

12. Quanto tempo duram, em média, as facetas?

Com a correta higiene oral e acompanhamento clínico, entre 20 a 25 anos.

13. As facetas podem cair?

Podem, mas não é habitual.

14. As facetas interferem com a mastigação?

Em nada, de resto a faceta cobre a face dos dentes que não entra na mastigação. Contudo, exatamente como no caso dos dentes naturais, não convém trincar alimentos excessivamente duros como gelo, marisco, caramelos ou frutos secos.

15. O que acontece se surgir uma cárie por baixo de uma faceta?

Tem que se remover a faceta para tratar a cárie. Caso a cárie seja pequena, pode colocar-se a mesma faceta, se o defeito gerado for maior, terá que se fazer uma nova. Em todo o caso, a probabilidade de que isso aconteça é mínima.

16. As facetas requerem algum cuidado especial?

Não. Considera-se um sucesso quando o paciente se esquece que está utilizá-las.

17. Quando se pode realizar um tratamento de ortodontia?

Os tratamentos de ortodontia podem ser feitos desde a dentição de leite, antes dos seis anos, até aos 99 anos. Está indicado sempre que exista uma mal-oclusão que impeça as funções do aparelho estomatognático, nomeadamente a fala, a mastigação ou a estética.

18. Durante quanto tempo, em média, deve ser um tratamento de ortodontia levado a cabo?

Cada caso é um caso, pois depende de cada paciente e do problema que este apresente. Mas, de uma forma geral, um tratamento ortodôntico dura, em média, 18 meses, sendo o mínimo necessário seis meses.

19. Existe alguma técnica para corrigir o chamado sorriso gengival?

Depende muito do caso, mas antes de uma abordagem cirúrgica maxilo-facial, pode-se considerar a gengivectomia com alongamento coronário, um procedimento de remoção da gengiva para deixar os dentes com uma aparência maior e a linha da gengiva proporcional, a colocação de facetas ou a intrusão ortodôntica.

20. Existe algum tratamento de rejuvenescimento integral do sorriso?

Não existe uma técnica que, singularmente, resolva todos os problemas dentários, mas desde a ortodontia aos implantes, da prótese fixa ao botox, tudo deve ser considerado no planeamento de uma reabilitação.

21. Para que serve a técnica de contorno dentário?

Esta técnica permite retocar o rebordo dos dentes, sem necessidade de anestesia, para regularizar o seu perfil ou corrigir algum defeito pontual. É feito através de uma turbina de alta velocidade.

Texto: Fernanda Soares com Gonçalo Macedo (médico dentista)