"O drama que estamos a passar obriga-nos a levar a sério o que conta, a não nos perdermos em coisas insignificantes, a redescobrir que a vida não serve, se não serve. Porque a vida é medida a partir do amor. Em casa, nesses dias sagrados, vamos apresentar-nos diante de Jesus crucificado, que é a medida do amor que Deus tem por nós", disse Francisco durante a homilia.

Apenas um pequeno grupo de religiosos acompanhou o Papa, que respeitava a distância de segurança em todos os momentos, e a liturgia foi realizada no altar da cadeira na Basílica de São Pedro, e não sob o dossel.

Será uma Páscoa diferente em que Francisco celebrará sem os fiéis e aqueles que quiserem participar terão que fazê-lo a partir de casa, através da comunicação social ou das redes sociais.

O aparecimento do novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19 e que na Itália já causou mais de 15.000 mortes, forçou o Vaticano a adotar medidas preventivas para evitar o contágio e já em março foi decidido fechar temporariamente a praça e a basílica do Vaticano.

Em 27 de março, Jorge Bergoglio deu uma bênção histórica "Urbi et Orbi" - para a cidade e para o mundo - de uma praça de São Pedro no Vaticano totalmente vazia dos fiéis, e essa imagem foi repetida neste domingo de ramos.

Naquele dia, a imagem da Virgem Salus Populi Romani, que geralmente é mantida na Basílica de Santa María la Mayor, e o Cristo crucificado da Igreja de San Marcello foram levadas ao Vaticano, e ambas foram colocadas hoje no altar, pois já se tornaram o símbolo da oração do Papa pela erradicação dessa pandemia.

O interior da basílica também foi decorado com algumas oliveiras e palmeiras.

O Papa fez uma homilia na qual pediu às pessoas que evitassem sentir-se solitárias e se apegassem à fé nesses tempos difíceis.

"Quando nos sentimos entre uma rocha e um lugar difícil, quando nos encontramos num impasse, sem luz e sem escapatória, quando parece que nem mesmo Deus responde, lembremos que não estamos sozinhos", afirmou.

"Hoje, no drama da pandemia, diante de tantas certezas que desmoronam, diante de tantas expectativas traídas, com o sentimento de abandono que oprime os nossos corações, Jesus diz a cada um: 'Coragem, abra seu coração ao meu amor. Você sentirá o conforto de Deus, que o sustenta ", acrescentou.

Francisco pediu aos fiéis de todo o mundo que entrassem em contacto com quem sofre, "quem está sozinho e necessitado" e enviou uma mensagem aos mais jovens: "Olhe para os verdadeiros heróis que vêm à luz hoje em dia. Eles não são os que têm fama, dinheiro e sucesso, mas são os que se dão para servir aos outros".

Este ano será uma Páscoa diferente. A missa do Crisma na Quinta-Feira Santa, na qual são abençoados os óleos sagrados que servirão durante todo o ano para distribuir os sacramentos, foi cancelada.

Francisco oficiará a missa da Quinta-feira Santa, mas não a tradicional lavagem dos pés que costumava fazer em abrigos de migrantes ou em prisões.

Também haverá uma missa na Sexta-feira Santa, como no dia anterior, dentro da Basílica, mas a Via Sacra será comemorada na Praça de São Pedro e não no Coliseu, onde é realizada continuamente desde 1964.

Também não haverá fiéis na Vigília da Páscoa, no sábado, nem na Missa da Páscoa, no domingo, após o que Francisco dará a bênção "Urbi et Orbi".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.