O governante disse que não era possível os países eliminarem a malária individualmente, daí a formação do E8.

“Estamos a trabalhar para eliminar completamente a malária nesses oito países e, portanto, o E8 foi formado para fazer exatamente isso", mencionou David Parirenyatwa.

O ministro referiu que a colaboração entre os países “é fundamental” para a E8.

“Está bem claro o que queremos fazer, porque percebemos que individualmente não conseguimos eliminar a malária se países vizinhos não o fizerem também”, explicou.

Segundo The Herald, David Parirenyatwa avançou que cinco centros de saúde já foram criados nos postos fronteiriços do país com a ajuda do E8.

O embaixador e ex-ministro da Saúde e Serviços Sociais da Namíbia, Nchabi Richard Kamwi, afirmou estar “impressionado” com a determinação da liderança no Zimbabwe.

A Eliminação 8 (E8) é uma iniciativa de colaboração regional de oito países - África do Sul, Angola, Botsuana, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Zâmbia e Zimbabwe - para combater a malária.

Esta iniciativa foi formada em Março de 2009 em Windhoek, na Namíbia, em resposta a um apelo da União Africana (UA) e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) para impulsionar a região para a eliminação daquela doença.

A iniciativa é guiada por um Plano Estratégico (2016-2020) no âmbito do Quadro de Eliminação da Malária da SADC e pelo Protocolo da SADC sobre Saúde.