“O estudo consiste em identificarmos alvos genéticos que podem ser responsáveis pela mediação inflamatória que é partilhada entre as doenças do sono e algumas doenças cardiovasculares”, disse o presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono (APCMS). “Acredita-se que essa pode ser uma área de convergência entre duas situações que partilham fatores de risco e pode dar-nos algumas pistas para a ligação entre estas duas condições”, acrescentou o especialista em medicina do sono.

O estudo, com a duração prevista de três anos, é dividido em várias etapas, sendo a primeira um rastreio populacional, com ações de rastreio sobre a pressão arterial e qualidade do sono, que arranca este mês, “Mês do Coração”.

O rastreio pretende alertar a população para a ligação entre o sono inadequado e o risco cardiovascular e confirmar a relação entre essas duas condições. “Depois dessa observação e da confirmação que existe essa ligação vamos debruçar-nos sobre alguns mecanismos que podem estar associados a isso”, explicou.

Hoje sabe-se que o sono perturbado aumenta o risco de erros e acidentes, diminui a imunidade e as defesas gerais e aumenta a probabilidade de desenvolver doenças metabólicas e cardiovasculares. “Mas os mecanismos são ainda pouco conhecidos e controversos, sobretudo quando se sai da área da apneia do sono, doença que claramente afeta a morbilidade e mortalidade cardiovascular”, frisou.

Doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte

Meira Cruz lembrou que “as doenças cardiovasculares mantêm-se como primeira causa de morte no mundo e em Portugal, e o sono adequado é cada vez mais raro, com tendência a piorar”. “Sabendo que a quantidade e a qualidade do sono afetam de forma independente a função do sistema cardiovascular e que muitos dos seus determinantes têm envolvidos fatores hereditários, torna-se compreensível que algumas respostas para melhorar o panorama da saúde em geral e cardiovascular em particular possam estar nos genes, mas também no que designamos de epigenética”, referiu.

16 sinais de que anda a dormir pouco

O projeto internacional 'Sono-miRs' reúne o Instituto de Biociências e Sistemas Integrativos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, a Divisão Cardiovascular da Universidade Federal de São Paulo, o Grupo de Função Autonómica do Centro Cardiovascular da Universidade de Lisboa, a APCMS, a Somnus Clinic e a Life Beat.

Isabel Rocha, responsável pelo Laboratório de Função Autonómica Cardiovascular da Faculdade de Medicina de Lisboa e participante no projeto, assume que o caminho pode ser longo, mas promissor, e defende que todos os passos que possam ser dados são de aproveitar. “Existem alguns obstáculos metodológicos que terão que ser ultrapassados, nomeadamente no que respeita à transferência do conhecimento obtido nos modelos animais, para os humanos, mas os ganhos serão provavelmente significativos com impacto real na saúde individual e coletiva”.