Se ainda não está convencido acerca dos benefícios do consumo de couves, talvez a lista com seis itens que encontra abaixo lhe traga uma nova forma de encarar e consumir estes vegetais:

1. São uma ótima fonte de ferro, principalmente as de cor verde escura;

2. Todas são fontes excelentes de clorofila, que ajuda na produção e oxigenação do sangue. A clorofila é também importante no reforço do nosso sistema imunitário;

3. O elevado nível de fibra, ajuda a promover níveis de saciedade maiores. Devemos, de resto, mastigá-las devidamente, para garantir que ajudamos no processo de assimilação da fibra, quando esta chegar ao intestino grosso. Para além disto, a fibra presente nas couves ajuda também a regular o nosso trânsito intestinal;

4. A vitamina A e nutrientes como o potássio, o cálcio e o ácido fólico são fortes aliados deste vegetal tão típico na cozinha portuguesa.

5. O magnésio, fósforo e selénio, que têm presente, ajudam a acalmar o sistema nervoso. As couves são, também, especialmente amigas do estômago, baço e pâncreas – assim como todos os vegetais redondos;

6. Um extra. É rica em antioxidantes, o que ajuda a prevenir a formação de radicais livres que promovem a inflamação e o envelhecimento das nossas células e pele.

Sabia que a couve lombarda escaldada é ótima para abrir o apetite? Já a couve-de-bruxelas tem elevados níveis de betacaroteno que se transforma em vitamina A, quando sintetizado pelo nosso corpo. Esta variante de couve tem também uma presença 63,8% de cálcio.

Confesso que, fora a couve-de-bruxelas, que sempre adorei, nunca fui fã de couves. Isto, até as conhecer melhor, porque comecei a consumi-las de forma diferente, o que me permitiu perceber a sua textura crocante e sabor ativo.

Formas de consumo

Pode consumir as couves em sopa, escaldadas, salteadas, em pickles, em smoothies¸ em caldos, como remédio caseiro ou mesmo em saladas (massajadas até libertarem os seus sucos). Se as ingerir em cru, tenha atenção à mastigação. Se tiver um intestino mais debilitado deve evitar comê-las cruas pelo alto nível de fibra e potencial difícil digestão.

Por fim, como curiosidade, sabia que na primeira viagem do capitão Cook (séc. XVII) muitos dos membros da tripulação tiveram gangrena e foram os emplastros de couve que os ajudaram a melhorar?

Vamos dar uma nova oportunidade à couve?

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.