Depois da água, o chá é provavelmente a bebida mais ingerida um pouco por todo o mundo. Esta bebida oriunda do oriente, rapidamente ganhou a simpatia dos países ocidentais, tornando-se mesmo um hábito nacional, como o chá das cinco inglês.

A forma mais conhecida tradicionalmente, o chá preto, pode apresentar-se sob muitas variedades, cada uma com o seu paladar e odor próprios. Porém, nos últimos anos o chá verde tem ganho muita popularidade dada a multiplicidade de estudos que comprovaram as suas propriedades benéficas.

Ambos provêm de uma mesma planta, Camellia sinensis, mas o processo de tratamento das folhas é diferente. No caso do chá preto há como que uma torrefação das folhas, dando-lhe o seu aspeto característico; e, no outro caso, as folhas são tratadas por processos menos intensos, mantendo a cor verde. Existe ainda o matcha, que se trata de um tipo de chá verde em pó derivado da planta Camellia sinensis, cultivada à sombra.

Antes das suas folhas serem utilizadas, são retirados os veios, caules e impurezas, para depois serem moídas num moinho de pedra. Este processo criterioso não só confere um sabor mais suave e uma cor mais intensa ao matcha, como também parece contribuir para uma densidade nutricional mais elevada.

As propriedades medicinais

Em qualquer uma destas variedade de chá podemos encontrar cafeína, teobromina e taninos, algumas vitaminas, minerais e óleos essenciais. As duas primeiras substâncias conferem-lhes propriedades estimulantes do sistema nervoso e diuréticas, daí que o seu consumo excessivo possa levar ao aparecimento de insónias, excitabilidade ou problemas gastrointestinais. Porém, atualmente, existem disponíveis no mercado variedades descafeínadas destes chás.

O chá, nomeadamente o chá verde, possui ainda um elevado teor de polifenóis, substâncias antioxidantes muito potentes, mais efetivas ainda que as das vitaminas C e E. Em comparação com o chá verde tradicional, o chá matcha apresenta um teor do antioxidante epigalocatequina galato (EGCG) pelo menos três vezes mais elevado. Para além disto, este chá em pó é ainda rico em L-teanina, um aminoácido encontrado principalmente nas folhas do chá verde, e em cafeína.

De facto, esta bebida tem vindo a reunir um crescente interesse por parte dos investigadores em todo o mundo. Já na antiguidade, o chá era visto como uma bebida que oferecia saúde e longevidade. Hoje, sabe-se que esse facto se deve em grande parte aos antioxidantes que possui.

Pode ainda optar pelas infusões de frutos e outras plantas. Para além de reconfortantes e aromáticos, estas infusões oferecem-lhes as propriedades benéficas das plantas e/ou frutos com que são feitos.

Com as constantes mudanças de temperatura e, principalmente nesta época fria que atravessamos, o nosso organismo fica mais propenso a determinadas doenças, como os resfriados, gripes e constipações que, apesar de muito comuns, não deixam de ter, por vezes, consequências mais graves. Por exemplo ajude a reforçar o seu sistema imunitário com uma infusão de limão ou de roseira brava. Pode ainda adicionar-lhes mel, extrato de propolis ou de equinácea, substâncias muito úteis na prevenção das afeções acima descritas.

O papel do chá na quadra festiva

A época festiva que se aproxima é, por excelência, a altura do ano em que, com mais facilidade, incorremos em abusos e excessos alimentares, originando por vezes situações prejudiciais à nossa saúde. De facto, nesta quadra, existe uma grande tendência para comer alimentos que, quer pelas quantidades ingeridas, quer pela variedade e forma como são confecionados, podem provocar sobrecargas no nosso organismo e ter consequências desagradáveis, nomeadamente a nível digestivo e hepático.

Nestes casos são muitas as infusões que podem ser úteis. Assim, para ajudar a aliviar os problemas digestivos e gastrointestinais poderá optar pelas infusões de funcho (gases), hortelã-pimenta (enfartamento), camomila (cólicas), gengibre (enjoos), lúcia-lima e erva cidreira (digestivos). No que respeita aos problemas hepáticos pode recorrer nomeadamente às infusões de cardo mariano, alcachofra e dente-de-leão (excesso de álcool e de gorduras e distúrbios biliares).

Os problemas de ordem mental e emocional são atualmente dos mais preocupantes na nossa sociedade. As crises de insónias, ansiedade, irritabilidade, esgotamentos de origem nervosa, depressões e bem como outras alterações levam ao consumo frequentemente exagerado de medicamentos calmantes e sedativos com todas as suas consequências, sobretudo no que toca à dependência que provocam.

As situações de stresse, a velocidade a que se vive presentemente, o desrespeito pelas horas de sono, o sedentarismo, afetam em maior ou menor grau os nossos ritmos biológicos, levando, por vezes, à quebra das nossas defesas físicas e psicológicas. Esta é uma tendência que podemos tentar contrariar com um gesto tão simples como fazer um chá ou uma infusão. Podemos optar pelas infusões de plantas cujas propriedades são calmantes, como são o caso da passiflora, o lúpulo, a valeriana, o hipericão (ou erva-de-são-joão), ou mesmo a tília.

Assim, com o frio que se faz sentir, escolha um chá ou infusão da sua preferência, delicie-se com o seu sabor forte e quente e trate, ao mesmo tempo da sua saúde.

As explicações são do médico Pedro Lôbo do Vale.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.