O pêssego é uma das frutas mais ricas em vitamina A, contendo também importantes quantidades de vitamina C, B e A. É uma boa fonte de ferro, potássio, fósforo e magnésio. Na culinária, é utilizado muito em tartes, doces, conservas e licores, além dos sumos. A nível medicinal, as flores e as folhas do pessegueiro têm propriedades calmantes. O fruto em si atua como energético e diurético, sendo laxante e depurativo.

Apesar do seu nome científico ser P. Persica, o pessegueiro é originário da China e não da Pérsia, como a determinada altura se pensava. Na China, já se mencionava esta variedade em poemas do século X antes do nascimento Jesus Cristo. No entanto, já era cultivada no Médio Oriente, sobretudo no Irão, no ano 100 antes da era cristã, sendo muito mais tarde introduzida na Europa, em Roma, pelo imperador Claudius.

A título de curiosidade e cultura geral, o pessegueiro foi introduzido no Brasil por Martim Afonso de Sousa em 1532. As primeiras árvores que aí foram plantadas foram trazidas da ilha da Madeira. Entretanto, muita coisa mudou. A China e a Itália figuram atualmente entre os maiores produtores mundiais de pêssego. O pessegueiro, a árvore frutícola onde cresce, tem uma vida produtiva média de 15 a 20 anos, com entrada em produção aos três anos. Atinge, por norma, a plena produção entre os 6 e os 12 anos. Esta árvore pode viver mais de 30 anos. As suas flores têm a coloração rosada ou roxa e surgem no início da primavera.

A maioria das variedades desta fruta são autoférteis, não necessitando de outras cultivares para ter produção. A polinização pode ser feita pelas abelhas ou pelo vento. Relativamente às técnicas de cultivo, deve-se utilizar uma subsoladora, para romper o solo e permitir a infiltração de água e o seu arejamento, não revirando as camadas. As multiplicações são feitas por estacaria através de enxerto de gema e cultura em vitro.

A data de plantação recomendada acontece ao principio do inverno até ao início da primavera. Deve ser feita com um compasso de 4x5 ou 6x6. A poda tem geralmente lugar no fim do inverno em forma de vaso ou eixo central e deve-se colocar uma camada de 2,5 centímetros de mulching, palha ou outra erva seca. Podemos plantar algumas culturas hortícolas entre as linhas do pomar, ervilhas, feijão e melão.

Alface, nabo, tomate, colola, alho e batata-doce, todas até aos quatro anos devida da árvore, são outras das opções que pode considerar. A partir desta data, só adubo verde. Só se deve regar esta árvore em verões secos, por gota a gota e intensificar desde a formaçãodo crescimento do fruto. O pêssego não suporta geadas tardias e ventos fortes. É também sensível a carências de ferro e pouco tolerante ao encharcamento.

A colheita é feita em julho e em agosto mas também pode ocorrer entre o final da primavera e o princípio do verão, quando a cor, a firmeza da polpa e o perfume se alteram. Nesta altura, o casca do fruto adquire uns tons mais avermelhados, o interior fica mais mole e o pêssego apresenta um cheiro mais intenso, irresistivelmente tentador. Se é apreciador desta fruta, não faltam razões para a ingerir mais vezes.

Texto: Pedro Rau (engenheiro hortofrutícola)

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.