O ácido rosmarínico do alecrim oferece uma acção anti-alérgica.

Mas esta não é a única propriedade desta planta que favorece o fluxo sanguíneo no coração (artérias coronárias), nas pernas e mãos (útil no caso de extremidades frias) e no cérebro, aumentando a memória e a concentração.

Para além disso, o alecrim melhora as insuficiências hepáticas e vesiculares que podem originar má digestão, enfartamento, cólicas e gases. Melhora a circulação, alivia as dores reumáticas nas articulações e estimula o crescimento do cabelo.

Outras propriedades

Alivia o cansaço e é utilizado no tratamento das cefaleias na China, Grécia e Índia. Em óleo essencial, utiliza-se como anti-séptico, anti-viral sendo um tratamento para o herpes simplex, juntamente com a erva-cidreira.  É utilizado como tratamento co-adjuvante da doença de Alzheimer e Parkinson.

Estudos científicos

Dois estudos com 181 adultos que experimentaram aromaterapia (inalação do óleo essencial) com alecrim e alfazema confirmaram melhorias ao nível da memória, capacidade de trabalho, rapidez de raciocínio e humor (International Journal of Neuroscience).

Administração

  • Infusão: Uma colher de planta por chávena, duas a três vezes por dia.
  • Óleo essencial: Uma a duas  gotas com um pouco de água, duas vezes por dia.

Precauções

Seguro como planta medicinal, o óleo essencial é contra-indicado por via interna durante a gravidez e em crianças até aos seis anos.

Remédios caseiros

Chá da memória: Junte duas colheres (sopa) de alecrim, salva e erva-cidreira e faça uma infusão em um litro de água. Beba ao longo do dia.

Loção do cabelo: Faça uma infusão de cinco colheres de sopa de alecrim, salva, bardana, chá verde, alcacuz e uma cebola picada em um litro de aguardente. Deixar macerar durante cinco dias, agitando diariamente. Aplique antes de deitar com uma pequena massagem.

Revisão científica: João Beles, naturopata (coordenador do curso de Naturopatia do Instituto de Medicina Tradicional de Lisboa)