Nos últimos 30 anos, os problemas de sensibilidade cutânea triplicaram mas, apesar disso, continuam a ser negligenciados. Se a sua pele se queixa, chegou, por isso, a altura de a mimar um pouco mais. Uma pele sensível é facilmente vulnerável às agressões externas, perante as quais reage de forma excessiva. Esta hiper-reatividade está diretamente relacionada com a excitação das terminações nervosas que afloram nas camadas superficiais da epiderme.

Nas consultas de dermatologia, surgem cada vez mais casos de problemas de pele sensível. A explicação deste aumento está relacionada com os fatores ambientais próprios das sociedades modernas, nomeadamente índices elevados de poluição, diminuição da camada de ozono e uma maior exposição aos raios solares. Mas também existem outros fatores, como o stresse, o sedentarismo e a alimentação rápida e desequilibrada que muitas vezes fazemos.

Outra das causas são os problemas emocionais, que também podem prejudicar o equilíbrio da nossa pele. Para além disso, certos alimentos libertam substâncias vasoativas, como é o caso da histamina, que podem provocar ruborização e até comichão. Há ainda duas ressalvas a fazer. Primeiro, não deve ser considerada uma doença cutânea, pese embora os incómodos que acarreta. Segundo, não é necessariamente alérgica, uma vez que a alergia é uma reação do sistema imunitário produzida quando a epiderme entra em contacto com uma substância que o corpo identifica como perigosa, reagindo de forma excessiva.

Não obstante, em alguns pacientes, é difícil distinguir entre pele sensível e alérgica, uma vez que o seu comportamento é muito semelhante. Mas, afinal, porque é que a nossa pele é sensível? Dependendo do grau de sensibilidade que possui, os sintomas podem ir desde um leve prurido a ardor e pele repuxada que, geralmente, são acompanhados de rubor. A sensibilidade, também denominada reatividade, pode ser causada por inúmeros fatores:

- Reatividade ambiental

Provoca prurido, irritação ou rubor face a mudanças bruscas de temperatura, reação ao calor, ao frio, ao vento, ao sol ou à poluição atmosférica.

- Reatividade vascular

Relacionada com a fragilidade das paredes dos vasos sanguíneos. Aparece por causa de fatores externos (mudanças bruscas de temperatura) ou internos (como uma alimentação muito condimentada ou álcool). Manifesta-se através de rubor ou sensação de calor na pele.

- Reatividade de contacto

Reação desencadeada pelo contacto com um produto que contenha um ingrediente mal tolerado, como é o caso da água muito calcária e de certos tecidos como a lã. Pode provocar prurido, comichão, pele repuxada e/ou rubor.

- Pele atópica

É uma pele particularmente frágil, associada geralmente a eczemas. Requer muita cautela na escolha dos produtos de tratamento e higiene.

Os cuidados que deve ter para proteger pele

De acordo com a generalidade dos especialistas, nacionais e internacionais, estará a tratar bem da sua pele sensível se seguir as seguintes recomendações:

- Beba dois a três litros de água por dia.

- Hidrate a epiderme com um produto específico adequado, sem perfume e testado hipoalergenicamente.

- Vaporize a pele com um spray de água termal várias vezes ao dia. No verão, duplicará os benefícios deste produto se o guardar no frigorífico.

- Limpe a pele e desmaquilhe-se de manhã e à noite, também com produtos específicos.

Os erros que quem sofre de sensibilidade cutânea deve evitar

Estes são os comportamentos que os dermatologistas mais criticam:

- Abusar do sol. O melhor será mesmo evitá-lo mas, se apanhar sol, use um fotoprotetor de proteção máxima, mesmo no inverno.

- Exagerar nas refeições picantes ou excessivamente quentes, bem como do álcool e das bebidas excitantes, como é o caso do café, do chá e das bebidas isotónicas.

- Limpar a pele com sabonetes sintéticos ou tónicos com álcool e perfume.

- Usar cosméticos com alfa-hidroxiácidos, que podem irritar as peles mais sensíveis.

Texto: Madalena Alçada Baptista

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.