O dia 31 de março foi o último de Meghan Markle e Harry como membros sénior da família real britânica. Na sequência deste momento marcante, a meia-irmã da duquesa de Sussex voltou a pronunciar-se e mostrou-se contra a decisão do casal.

Samantha Markle criticou o facto de Meghan e Harry deixarem a família real a meio da crise do novo coronavírus.

De acordo com a imprensa internacional, Samantha, de 55 anos, está contra a ideia do casal mudar-se para a Califórnia e deixar o cargo como membros séniores da realeza.

"Eles podem atirar pedras o quanto quiserem, mas agora eles são os maiores hipócritas", afirmou. "É uma pandemia devastadora, a ideia de abandonarem as duas famílias é chocante. E agora, abandonarem o povo britânico e a família real num momento tão crítico [...] é terrivelmente cruel", acrescentou.

Mas não ficou por aqui e comentou ainda a 'polémica' que houve inicialmente sobre a segurança dos duques. Como foi relatado anteriormente, Donald Trump fez questão de anunciar publicamente que os EUA não iriam suportar os custos da segurança privada de Meghan e Harry. Por sua vez, o casal afirmou que nunca foi o seu objetivo pedir tal proteção ao país.

Samantha fez questão de referir que partilha da opinião de Trump. "O povo dos EUA não deve pagar pela sua segurança. O Harry e a Meghan parecem não se importar com as famílias ou as pessoas que estão ao seu redor. A autopreservação deles é bastante nojenta”, disse, citada pelo Daily Mail.

Leia Também: 'The end'. O adeus oficial de Meghan e Harry ao núcleo sénior da realeza

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.