Portugal está de luto com trágica morte do ator Bruno Candé, assassinado na tarde deste sábado, dia 25, numa avenida em Moscavide, concelho de Loures.

O panorama artístico mostra-se inconsolável e pelas redes sociais fazem-se notar mensagens de homenagem e revolta com o crime de ódio racial, alegadamente cometido por um idoso de 80 anos.

"Ontem perdemos o Bruno Candé, um homem, um ator muito respeitado e acarinhado por todxs quanto trabalharam com ele, bem como enquanto público, o vimos a entregar-se ao trabalho de forma visceral (...) Numa vergonha imensa mergulha a minha alma por estar num país onde crimes raciais acontecem e são ignorados e negados por muitas e muitos portugueses", lamentou o ator Miguel Nunes

Inês Herédia, por sua vez, dedicou ao ator versos da canção 'Ne me quitte pas', de Jacques Brel.

Luísa Ortigoso mostrou-se perplexa com a atrocidade: "Morreu um homem. Morreu um actor. Assassinado. Estava a passear a cadela Pepa, na rua. Deixa três filhos: O Ivo, o Ruben e a Bia. Diz quem com ele privou e trabalhou, que era: 'impossível não ser amado'. As últimas palavras que ouviu? 'Preto, vai para a tua terra'".

"E agora? É só lá fora?", questionou Paula Lobo Antunes.

Leia Também: Família de Bruno reclama justiça "célere e rigorosa"

Leia Também: Bruno assassinado à luz do dia. Racismo pede justiça

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.