Giedre Gomes é uma fotógrafa de 35 anos que mora em Cedar Lake, no estado do Indiana, nos Estados Unidos.

Quando decidiu tirar uma série de fotografias para ilustrar o dia a dia de se ser mãe, optou por não disfarçar nada. Giedre Gomes quis revelar a realidade inerente ao quotidiano das "mães normais" e mostrar que nem tudo é um "arco-íris com borboletas".

"A maternidade é não se lembrar de como é dormir uma noite inteira e limpar mais cocó do que alguma vez imaginou ver na sua vida", começa por descrever esta mãe, que é também fotógrafa, numa publicação feita pela própria no portal Bored Panda.

"A maternidade é deixar de ter privacidade, não fazer chichi sozinha ou tomar banho em paz. A maternidade é usar a nossa própria camisa para limpar os narizes e as caras sujas. A maternidade é aprender a fazer tudo com uma mão enquanto se carrega um bebé com a outra", acrescenta esta mãe de duas crianças, Mario e Rocco, de 5 e 3 anos.

"A maternidade é acordar com um rabo ou pé da cara. A maternidade é amamentar onde quer que seja. A maternidade é calças de ioga e cabelo despenteado o dia inteiro", diz.

"A maternidade é viver num carro sujo o tempo e não ser sequer capaz de ficar doente porque ser mãe é um trabalho de 24 horas por dia, sem remuneração", descreve.

Mas Giedre Gomes não tem dúvidas: "Não trocaria este trabalho por nada". Ser mãe significa ser "completamente dominada pelo amor, alegria, responsabilidade e abnegação", conlcui.