Com uma taxa de prevalência que duplicou nas últimas três décadas, o eczema atópico, uma inflamação cutânea também designada por dermatite ou dermite, surge frequentemente entre os primeiros quatro e seis meses de vida. Em Portugal, esta patologia da pele afeta cerca de 75% dos bebés, durante os primeiros seis meses. Em 60% dos bebés, a doença desaparece mas estima-se que a sua evolução atinja uma percentagem de 30% de crianças.

Para ajudar os pais a proteger ou a lidar com esta patologia que se manifesta por várias reações alérgicas na pele, os laboratórios farmacêuticos Astellas Pharma criaram um guia de conselhos-chave a ter em conta:

1. Escreva um diário

Deve ser criado um diário da patologia que permita o registo de todas as reações alérgicas da pele. O objetivo é realizar uma associação das reações com os fatores desencadeadores. Estes padrões de relação são importantes para que exista um maior controlo e conhecimento da doença.

2. Tenha cuidado com a roupa

A roupa áspera e apertada pode arranhar a pele logo, deve ser evitada, de modo a prevenir reações alérgicas. Todas as etiquetas devem ser removidas de imediato e deve-se ter em atenção outras lãs e tecidos sintéticos que podem ser prejudiciais.

3. Tente manter as unhas do bebé pequenas

As unhas devem ter o mínimo de comprimento, para evitar a tendência de coçar.

4. O pensamento deve ser sazonal

O pensamento deve ser sempre sazonal devido às alterações bruscas de temperatura que podem facilmente desencadear as reações, seja na rua ou internamente.

5. O duche deve ser diário

O duche deve ser diário e de 20 minutos no máximo, com água tépida.

6. Hidrate a pele do bebé constantemente

A hidratação deve ser constante devido à pele áspera e seca. O hidratante deve andar sempre com o paciente.

7. Tenha atenção à alimentação

A atenção especial à alimentação é importante para que se identifiquem os alimentos que desencadeiam as crises, como é o caso dos chocolates, leite, ovos, citrinos e frutos secos.

Veja na página seguinte: A necessidade de envolver a criança no processo

8. Informe os educadores

No caso de existir uma ama ou um educador na escola, estes devem ser, imediatamente, informados sobre a doença da criança. A sua ajuda é de extrema importância, pois será com eles que a criança passará a maior parte do dia. Saber como reagir e o porquê de algumas situações, como as constantes alterações de humor que muitos bebés por vezes evidenciem e que têm uma importância vital.

9. Envolva a criança no processo

Quando maior, a criança deve ser envolvida em todo o processo de prevenção e tratamento. É importante explicar-lhe como actua a doença para que esta se sinta uma parte ativa na solução.

10. Consulte um especialista

O especialista pode indicar o tratamento mais adequado para o tipo de eczema.