Tribunal Europeu autoriza hospital a desligar as máquinas de bebé com doença rara

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos autorizou a retirada do suporte de vida a um bebé britânico de 10 meses que sofre de uma doença genética rara e cujo prognóstico vital era fatal. Pais queriam levá-lo a fazer tratamento experimental nos Estados Unidos.

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (CEDH) concordou com a decisão anteriormente tomada pelos tribunais britânicos e ordenou a suspensão das medidas provisórias de suporte de vida.

Connie Yates e Chris Gard, os pais de Charlie Gard, um bebé de 10 meses que sofre de uma doença genética rara, interpuseram em fevereiro uma ação no CEDH, após o Supremo Tribunal britânico ter permitido desligar a ventilação artificial ao filho.

O Hospital Great Ormond Street, onde o bebé se encontra internado, em Londres, queria permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. Contudo, os pais pediram ao Tribunal para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos.

Segundo a BBC, os juízes europeus acreditam que Charlie está a ser exposto a uma "dor e a um sofrimento contínuos" e que um tratamento experimental, "sem perspetivas de sucesso", não seria benéfico para a criança.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários