Todos os europeus eram negros há alguns milhares de anos

Durante grande parte da história, os europeus foram negros. A conclusão é uma de muitas do maior estudo genético alguma vez feito sobre os europeus da pré-história.

A replica of the skeleton of King Richard III, created using 3D printing, is displayed in the new visitor's centre on the site where his remains were discovered, in Leicester, central England, on July 24, 2014. The centre tells the story of his rise to power, his death in battle and the discovery of his bones, as well as raising questions on how his disability should be portrayed in theatre and film. Exhibits include a remarkably detailed facial reconstruction, and a replica of Richard’s skeleton that clearly shows his curved spine, as well as his battle injuries, including the fatal blow. Opening on July 26, 2014, the centre hopes to attract up to 100,000 visitors in it's first year. AFP PHOTO/Leon Neal / AFP PHOTO / LEON NEAL

créditos: AFP

A investigação remonta ao Paleolítico Superior há 45 mil anos atrás. "O que vemos é uma história onde em muitos momentos umas populações substituem outras, a migração acontece numa escala dramática numa altura em que o clima mudava radicalmente", comenta David Reich, geneticista da Universidade de Harvard e principal autor do estudo publicado na revista Nature, à BBC.

A investigação analisou o ADN de 51 euroasiáticos e mostra, mais uma vez, que o homem neandertal e o homem moderno (homo sapiens) procriaram, dando origem a filhos férteis. Embora os primeiros homo sapiens tenham chegado à Europa há 45 mil anos atrás, a sua impressão genética desapareceu completamente nas populações atuais. Acredita-se que a última Idade do Gelo exterminou povos inteiros e obrigou outros à emigração, descreve a RTP Online.

Leia também: Mutações genéticas que lhe dão autênticos super poderes

Leia ainda: 5 mitos desvendados sobre o corpo humano

Seguiu-se, acredita a ciência, um fluxo migratório para regiões mais quentes no sul da Europa, em particular para a Península Ibérica. Depois da última Idade do Gelo, a população volta novamente a expandir-se para o norte da Europa, recuperando o território.

Há 14 mil anos atrás, uma população oriunda do oriente próximo substitui grande parte dos povos anteriores precisamente nestas regiões. A análise de genes obtidos a partir dos restos mortais de seres humanos dessa época não dão margem para dúvidas: pele escura e olhos claros.

Comentários