Dilva Marques: “As cicatrizes do cancro da mama são as minhas tatuagens da vida”

A jovem natural da Boa Vista superou um cancro da mama e, recentemente, criou o projeto “Diva’s”, onde pretende quebrar o tabu em torno da doença e alertar sobre a importância da prevenção, do tratamento e do acompanhamento.
créditos: Aline Oliveira

Dilva Marques tem 33 anos e é um exemplo de superação. Aos 30 anos de idade foi diagnosticada com um cancro da mama e pensou que o “mundo tinha acabado”.

“Descobri um nódulo durante o autoexame. Inicialmente foi um choque e cheguei a pensar que iria morrer. Fiz uma maratona de exames e fui diagnosticada com cancro da mama e viajei para Portugal para dar início ao tratamento da doença”, conta.

A jovem, formada na área de Gestão de Recursos Humanos, revelou ao SAPO que durante o tratamento teve momentos altos e baixos, mas que sempre “teve fé” e acreditou que valia a pena continuar a lutar pela vida.

“Pensava nos meus amigos, familiares e nas coisas boas que tinha à minha espera em Cabo Verde. Fui lutando dia após dia. Muitas pessoas perguntam-me onde fui buscar forças para enfrentar a doença, mas é uma força que vem de onde menos pensamos”, salienta.

As suas cicatrizes são “marcas de uma grande batalha”. “Sinceramente, as marcas não me fazem a mínima diferença ou confusão. Porque são marcas de guerra. Quando olho as minhas cicatrizes, vejo que superei o cancro da mama e que estou viva. São marcas da vida. Como digo sempre, são as minhas tatuagens da vida”, afirma.

Hoje, após dois anos de tratamento, acompanhamento e cura, Dilva Marques está de volta à sua rotina e encara a vida com outros olhos.

“A mentalidade mudou completamente. A maneira como vejo o mundo é totalmente diferente. Tem certas coisas que já não fazem sentido e que já não têm tanta importância. Crescemos como pessoa e sentimos orgulhosas de nós próprias, principalmente quando ajudamos outras pessoas. Tudo na vida tem o seu lado bom e mau”, diz.

Criação do Projeto “Diva’s”

Este mês, Dilva Marques criou um projeto intitulado “Diva’s” no Facebook, onde pretende quebrar o tabu em torno do cancro da mama, bem como alertar sobre a importância da prevenção, do tratamento e do acompanhamento.

A boavistense sempre teve vontade de contribuir com algo na sociedade, mas não sabia como, até ser diagnosticada com cancro da mama.

“Durante a fase de tratamento descobri uma página no Facebook intitulada ‘Quimioterapia e Beleza’ de uma modelo brasileira, Flávia Flores, que enfrentou um cancro. Passei a seguir a página e aprendi muitas coisas com ela. Flávia sempre contou a sua história na primeira pessoa, colocava fotos, vídeos e dava dicas de beleza. Então foi a partir daí que tive a ideia de criar este projeto”, conta acrescentando que na fase inicial do tratamento sentia-se feia e que a página ajudou-a a recuperar a auto estima.

Na sua página, Dilva vai contar também a sua história na primeira pessoa, realçar a importância da prevenção, dar dicas de beleza, bem como contar histórias de outras mulheres que já passaram ou que estão a enfrentar um cancro. “As mulheres têm vergonha e receio de falar sobre esta doença. Vamos tentar diminuir este tabu. Quero dar força e fazer a diferença na vida dessas ‘Diva’s’”.

“Pretendo falar sobre outros tipos de cancro, é claro com ajuda de alguns profissionais da área. Bem como realizar atividades como palestras, caminhadas e conversar abertas ligadas à saúde e que envolvem tanto as mulheres como os homens. A participação dos homens nessa luta é importante”, diz.

Questionada sobre a escolha do nome do projeto, Dilva justifica: “Diva’s”, primeiro porque foi sugestão de um amigo, mas também porque o significado é forte. É divindade feminina, é força, luta…. Então é um nome que tem tudo a ver com o projeto. O nome engloba todas as mulheres, sem nenhuma restrição”.

A jovem ambiciona criar em breve a associação “Diva’s” na cidade da Praia e envolver todas as ilhas e a Diáspora nesta luta contra o cancro. “Espero que quando criarmos a associação possamos ter engajamento e apoio de entidades e organizações para podermos fazer todo o trabalho que temos em mente”, diz e apelando ao Governo a investir mais na área da saúde.

Em forma de mensagem, Dilva diz às pessoas que estão a enfrentar a mesma doença para não desistirem e acreditarem na capacidade de vencer. “Lutem todos os dias e vivam um dia de cada vez”, diz e acrescenta que é fundamental ter apoio dos amigos e familiares.

Comentários