Brigitte Macron: de professora a primeira-dama de França

Brigitte Macron está na vida do marido desde que ele tinha 15 anos: primeiro como professora, depois como companheira e agora como a sua primeira-dama.

E ela vai estar ao lado de Emmanuel Macron quando o centrista pró-União Europeia, de 39 anos, assumir o cargo como o presidente mais jovem da história de França, depois de ter vencido a eleição deste domingo.

Elegante e esbelta, Brigitte Macron, de 64 anos, é a colaboradora mais próxima do seu marido, e ele prometeu-lhe um papel oficial no palácio presidencial.

"Todas as noites conversamos e repetimos o que ouvimos um sobre o outro", disse Brigitte à revista Paris Match no ano passado. "Eu tenho que prestar atenção a tudo, fazer o máximo para protegê-lo".

Brigitte já saiu na capa de quase uma dúzia de revistas, e esteve ao lado do marido em muitos comícios, enquanto o mundo acompanhava com fascínio o romance pouco comum do casal.

Brigitte Macron: de professora a primeira-dama de França

Mas antes disso tudo ela foi esposa de outro homem e mãe de três filhos, e ensinava francês, latim e teatro. Brigitte estava no caminho para uma vida confortável, embora um tanto convencional.

Brigitte Trogneux nasceu em 13 de abril de 1953 em Amiens, no norte da França, que também é a cidade natal de Emmanuel Macron, numa família próspera que dirige um negócio conhecido de pastelaria e chocolate.

No início da década de 1990, ela foi surpreendida por um jovem que estava atuar numa produção de "Jacques e seu Amo", de Milan Kundera. Era Emmanuel.

Ela concordou rapidamente quando ele lhe pediu que o ajudasse a trabalhar num roteiro e, assim, eles começaram a construir um vínculo.

A professora, então com 39 anos, foi "totalmente cativada" pela inteligência de Emmanuel, que tinha apenas 15. O sentimento era mútuo, e dois anos depois ele fez uma previsão ousada.

"Quando tinha 17 anos, Emmanuel disse-me: "Faças o que fizeres, eu vou-me casar contigo!", contou Brigitte Macron à revista Paris Match em abril passado.

Veja mais na página seguinte.

Comentários