APIMUD inaugura quiosque de reprografia para incluir mulheres portadoras de deficiência no mercado de trabalho

O projeto é financiado pela Embaixada dos Estados Unidos.

Associação Cabo-verdiana de Promoção e Inclusão das Mulheres com Deficiência (APIMUD)

créditos: Inforpress

A Associação Cabo-verdiana de Promoção e Inclusão das Mulheres com Deficiência (APIMUD) inaugura hoje, na cidade da Praia, um quiosque de reprografia onde as funcionárias são mulheres portadoras de deficiência.

Em declarações à Inforpress, a presidente da APIMUD, Naldi Veiga, explicou tratar-se de um projeto que visa “empoderar” e incluir as mulheres portadoras de deficiência no mercado de trabalho.

“Com este quiosque queremos prestar serviço e facilitar o acesso a diferentes tipos de produtos através de reprografia. Vamos ficar sediados no prédio da AEDVIC (Associação dos Deficientes Visuais de Cabo Verde), em Achada São Filipe, no lado que fica a frente da Polícia Nacional”, precisou.

O projeto, financiado pela Embaixada dos Estados Unidos, em cerca de 500 mil escudos, equivalente a 50 por cento do valor total, é, segundo Naldi Veiga, uma mais-valia para que as mulheres com deficiência possam trabalhar, ser dependentes, gerar sua renda e melhorar a qualidade de vida.

O quiosque vai abrir oferecendo emprego a três mulheres, uma vez que, de acordo com a presidente da APIMUD, a associação ainda está à procura de parceiro para cobrir os 50% de financiamento que faltam para cumprir o projecto.

A intenção explicou, é desenvolver, no mesmo espaço, uma segunda fase do projecto, com um serviço de confeção de lanches e refeições para venda.

Além desse projeto, uma resposta ao apelo das Nações Unidas para empoderamento da mulher, a associação vai, ainda neste ano, desenvolver ações de formação na área de corte e costura destinadas a mulheres com deficiência.

“Nós queremos desenvolver atividades de empoderamento económico das nossas mulheres, razão porque vamos, também, realizar formação no circulo de cultura inclusivo. Aliás, o nosso desafio para este ano é fazer a promoção do empoderamento das mulheres com deficiência através de projetos e formação”, realçou.

Ainda no âmbito do Março mês da Mulher, a APIMUD promove, em parceria com o Centro de Investigação e Formação em Género e Família (CIGEF), o ICIEG e ad ONU Mulheres, quinta-feira, na cidade da Praia, um fórum subordinado ao tema “Condições de vida das mulheres em situação de vulnerabilidade em Cabo Verde”.

Em mais um Dia da Mulher Cabo-verdiana, Naldi Veiga exorta as mulheres com deficiência a terem mais motivação, a serem persistentes e inteligentes para poderem conseguir o que têm idealizado, mostrando a sociedade que necessitam apenas de apoio para mostrar que “são capazes e eficientes”.

“Deficiência não é um problema para nós, o problema são as barreiras que a sociedade nos impõe e que têm a ver com a falta de acesso a nível de comunicação, formação, emprego, a espaços físicos e outros”, conclui.

Comentários