Japão vai limitar horas extra para evitar doenças mentais e mortes por excesso de trabalho

O Governo japonês apresentou esta terça-feira (28/03) um plano para limitar as horas extraordinárias permitidas por lei, visando alterar a cultura do excesso de trabalho enraizada no país e evitar mais mortes de funcionários por este motivo.
créditos: Pixabay

A estratégia foi elaborada por uma equipa liderada pelo primeiro-ministro, Shinzo Abe, e conta com o apoio das principais organizações dos parceiros sociais, a Keidanren pelo patronato e a Rengo dos sindicatos.

O plano surge após revelações sobre a morte devido ao trabalho excessivo de dois empregados do gigante japonês da publicidade Dentsu, que reacenderam o debate sobre a persistente prática na terceira economia mundial. Determina que os trabalhadores não poderão fazer mais de 100 horas extraordinárias por mês, ou 80 no caso de se sucederem vários meses com uma alta carga laboral.

O projeto de lei representa uma “reforma histórica”, dado tratar-se da primeira vez que é estabelecido um limite para as horas extra.

Suicídios devido ao cansaço

Em 2015, mais de 2.159 pessoas suicidaram-se no Japão por causas relacionadas com o trabalho, 675 das quais devido ao cansaço, segundo dados do Ministério do Trabalho nipónico.

13 truques simples e diários contra o stress

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários