Viajar de Avião, Parte II

Continuando a conversa que demos início no post Domine a Arte de Viajar de Avião, eis aqui algumas coisas a ter em conta antes de colocar os electrónicos em modo Airplane e sair a navegar por entre nas nuvens.
créditos: Nuria Natural

-Os Scanners de Corpo Inteiro nos Aeroportos (full body scanners).


Sabia que os passageiros não são obrigados a entrar nos scanners de corpo inteiro nos aeroportos antes dos voos?  Sempre que viajo opto por ser apalpada.

E de imediato chamam alguém do staff, do sexo femenino pois as regras requerem que todos sejam apalpados por pessoas do mesmo sexo do passageiro.  Normalmente pedem ao passageiro para ficar de um lado à espera e quando o pessoal chega, perguntam se não importa que seja tudo feito ali mesmo.

Começam por explicar como pretendem proceder para poderem dar início ao processo de revistar o corpo.

É um processo fácil e rápido que dura menos de 5 minutos.  E enquanto isso os pertences estão sempre ali do lado tudo num só bin.

Eu opto por ser apalpada todas as vezes que viajo de avião porque prefiro evitar a exposição às radiações emitidas pelos scanners.

Os que não viajam com muita frequência podem decidir que não precisam evitar as máquinas.  No fundo o que eu aprecio em todo este processo é o poder da escolha.  Poder escolher o método que sinto que faz mais sentido para mim.

-Os Alimentos e a Merenda. 


Preparar para qualquer viagem já é uma tarefa complexa, ainda mais quando temos que planear o que comer durante o percurso.

Quando alguns anos atrás estreitaram as regras da bagagem de mão no sentido de aumentar a segurança nos aeroportos e nos aviões, muita comida foi ao lixo.  Lembro-me de passageiros forçados a deixar de lado frascos de manteiga de amendoim, cereais para os bebés e garrafas de água todas em perfeitas condições.

Como entender naquele tempo o que podíamos levar para comer nas viagens de avião?  E principalmente com crianças no colo.  Mas tudo seria mais fácil se todos obedecessem às regras, pensava enquanto esperava na fila de segurança.

Só que as regulações nem sempre são comunicadas de forma clara e sucinta.

Pode sim levar os sandwiches já preparados e barrados com qualquer manteiga ou pasta e até acrescentar o queijo e o fiambre.  Eu normalmente uso a carne do abacate, a manteiga de côco ou de amêndoa nos meus sandwiches de viagem. 

Mesmo durante os voos mais curtos, como o voo de 5 minutos entre a ilha de Santiago e a ilha do Maio, levo um saquinho de frutas nas mãos.  Se me encontro em Santo Antão, levo papaia, maçã de terra e banana.  Da ilha de Santiago levo a papaia e a banana.  Se viajo da ilha do Sal opto por bolachas de linhaça sempre à venda nas lojas IC, e outras bolachas de farinha integral.

Quando viajo para a ilha do Sal, podem creer que levo uma pequena caixa com frutas de terra, pois encontrar essas frutas a preços razoáveis nesta ilha é basicamente impossível.

Aqui nos Estados Unidos também viajo com frutas da época para comer nos aeroportos e durante os voos.  São normalmente maçãs, peras e laranjas.  Estas três frutas são as ideais para as viagens de avião pois satisfazem rapidamente o estômago.

Barras de chocolate escuro (ou granola com chocolate) são também dos meus preferidos snacks de viagem.  Acreditem que me arrependi perdidamente não ter trazido o chocolate no voo que fiz há dias da costa este até a costa oeste dos EUA.  Só para terem uma vaga ideia, a distância e a duração da viagem é mais ou menos igual a que fiz em Dezembro quando parti de Cabo Verde.

-A Desidratação nos Voos.


A pouquíssima humidade no ar que se respira dentro do avião contribui para a desidratação do organismo e pode exacerbar problemas respiratórios.  Por isso é importante manter-se bem hidratado, consumindo água, frutas e hortaliças à vontade nos dias que antecedem o voo.

Para além disso, é bom viajar com um frasco re-utilizável que se pode encher com água nos aeroportos e dentro do avião.  Eu gosto de colocar um pedaço de limão dentro da garrafa e assim só preciso de água quente ou de água fresca servidos nos voos para obter uma bebida refrescante e agradável.

Algo que aprecio muito aqui nos EUA é o water fountain que se encontra por todos os lugares públicos incluindo os aeroportos onde se pode encher a garrafa gratuitamente enquanto se espera a hora da partida.

Dentro do avião entrego o frasco ao staff quando passam as bebidas e peço para encher com água quente e assim também evito usar os copos de plástico sem necessidade.  E por falar na água morna ou quente, vale mencionar aqui que ela hidrata o organismo muito melhor do que a água fria ou gelada.

A desidratação nos voos também afecta a aparência da pele e para isso deve levar um hidratante para a pele e os lábios na sua bolsa de mão.

Entre o conforto, a segurança e as regras sempre sujeitas a mudanças inesperadas, viajar de avião nos dias de hoje tem se tornado numa verdadeira arte.

Continuaremos a partilhar aqui as nossas dicas a fim de ajudá-lo a aperfeiçoar esta tal arte.

Até lá, tenha uma óptima viagem.

BJS,

Nuria

Foto de destaque via Pixabay.

Veja mais no site Nuria Natural

artigo do parceiro:

Comentários