Sabia que tem mais do que 5 sentidos?

Visão, audição, olfato, paladar e tato fazem parte dos conhecidos 5 sentidos. No entanto, alguns estudos neurológicos sugerem que existir outros.
créditos: pixabay

Na verdade, o que é sugerido face à forma como o ser humano perceciona e se relaciona com o mundo são várias subdivisões. São formas de perceção e reguladoras que levam o corpo a sentir dor, equilíbrio ou outros e que se encontram incluídos nos 5 sentidos, mas numa vertente mais exploratória. São ativados apenas em determinado momento e em função de uma necessidade específica. Fique a saber quais são...

Perceção do doce (paladar): é desenvolvido desde muito cedo. Viemos ao mundo predispostos a saborear um bom doce e, regra geral, o corpo emite respostas positivas quando o percebe; Perceção do salgado (paladar): algumas pessoas têm paladar, mas não conseguem perceber e discernir o salgado; Perceção do azedo (paladar): presume-se que foi desenvolvido para quando o alimento é perigoso para o nosso corpo; Perceção do amargo (paladar): tal como o salgado, algumas pessoas têm paladar, mas também não conseguem perceber o sabor do amargo; Tato: também pode ser subdividido na perceção da temperatura e na nocicepção ou algesia (capacidade de sentir dor, receção de estímulos aversivos e perceção de estímulos agressivos); Perceção da luz (visão); Perceção da cor (visão): nem toda a gente vê as cores da mesma maneira e outras possuem a capacidade de distinguir mais tons que outras; Perceção do frio: permite perceber a temperatura exterior e alertar; Perceção do calor: assim como a perceção do frio, avisa sobre a temperatura à nossa volta; Equilíbrio: um dos mais importantes sentidos. É possível viver sem ele, caso exista algum tipo de problema no interior do ouvido ou do cérebro, mas ainda que seja possível manter-se de pé existe dificuldade nos movimentos. Correr, saltar, dançar ou mesmo caminhar podem ser enormes desafios; Propriocepção: capacidade de perceber o próprio corpo. É o que nos permite tomar banho de olhos fechados, por exemplo. É o que permite ter noção do espaço que o próprio corpo ocupa e como está distribuído; Cinestesia: é a perceção do movimento, ou seja, é a capacidade que o próprio corpo tem de perceber e antecipar o movimento; Termocepção (tato): é a perceção da temperatura ao nível interno e tem como função específica informar se nossa temperatura interna está normal e saudável; Interocepção: percepção ou sensibilidade em relação a estímulos e variações no interior do corpo; Pressão arterial: permite manter em equilíbrio a mesma (pressão exercida pelo sangue contra a parede das artérias ) de forma inconsciente (como com os outros sentidos); Oxigênio no corpo: tal como a pressão arterial, responde por uma habilidade interna do corpo que cumpre uma função reguladora no organismo; Líquido cefalorraquidiano: este fluido corporal estéril cumpre a mesma função que os dois sentidos anteriores; Pressão osmótica ou oncótica: gerada pelas proteínas no plasma sanguíneo, é constantemente usada. Cada vez que alguma substância é suposto passar por uma barreira (por exemplo, uma membrana) à atuação da pressão; Nível de glicose no sangue: caso se perca parcialmente pode originar graves consequências para a saúde; Sinestesia: é a relação de diferentes planos sensoriais, isto é, quando uma pessoa associa um estímulo de um sentido a outro sentido, sendo o olfacto e o paladar a associação mais comum (cheirar algo e imaginar o sabor).

artigo do parceiro:

Comentários