Faça deste o seu melhor ano de sempre

Queremos que este seja o ano em que, finalmente, vai sentir que tem controlo sobre a sua vida. Indicamos, por isso, estratégias simples, práticas e saudáveis para o concretizar.

Boas noites de sono, menos stresse, mais saúde, menos peso, uma pele mais jovem ou uma relação conjugal mais feliz. Formulou algum destes desejos para o novo ano? Então agora temos de passar à prática. Teresa Branco, fisiologista na gestão de peso e uma das especialistas que contactámos para a ajudar a concretizar o que mais deseja, contou-nos que, embora uma mudança de comportamento seja «um processo moroso», como sublinha, vale muito a pena investir na sua concretização pelo impacto estrutural que pode ter na nossa vida.

«À medida que adotamos atitudes e comportamentos com os quais estamos em paz, temos melhor autocontrolo», esclarece a especialista. E encontramos um espaço de conforto que nos permite estar bem connosco próprios. «É uma bola de neve em termos positivos», assegura. Vamos a isso? Veja o que deve fazer para melhorar a sua vida ao longo dos próximos meses:

- Dê prioridade ao que o assusta

Evitar aquilo que tem de ser feito e nos causa inquietação «impede-nos de confirmar que, na maioria das vezes, não existia qualquer motivo para esse anseio, gerando maiores níveis de ansiedade em situações semelhantes», explica Madalena Lobo, psicóloga clínica que tem a direção-geral da Oficina da Psicologia. «Se temos algo que nos esteja a criar ansiedade, como uma apresentação, conhecer novas pessoas ou ir a novos locais, mais vale tornar essa atividade uma prioridade, sabendo que é preferível uma pequena dose de ansiedade agora do que uma dose paralisante no futuro», aconselha.

- Ouça música enquanto cozinha...  e dance!

Duas atividades que podem ter terapêuticas numa combinação que não exige grande esforço nem implica investimento. «O exercício físico cardiovascular mesmo moderado ajuda o corpo a fabricar maiores quantidades de endorfinas, um grupo de neuroquímicos importantes na regulação ansiosa e que também ajuda a lidar com a dor e promove boa-disposição», refere Madalena Lobo. A especialista diz que «dançar ou fazer uma caminhada a um bom ritmo, de forma regular (quatro a cinco vezes por semana), durante 20 a 30 minutos, são poderosos ansiolíticos».

Para quem não tem tempo, paciência ou dinheiro para ginásios, comece por estacionar o carro mais longe do trabalho ou de casa, ou saia do metro ou do autocarro algumas paragens antes do destino. «Faça o jantar enquanto dança ao som da sua música favorita ou dê uma corrida à volta do quarteirão antes de ir para o trabalho», sugere ainda.

- Inspire e expire

Fazê-lo «diminui a atividade ansiosa. A ansiedade é multifacetada e um dos aspetos que desregula imediatamente é a respiração, tornando-a superficial, um pouco mais rápida e irregular, o que provoca sensações corporais que podem ser muito desagradáveis e que, por sua vez, nos fazem sentir mais ansiosos numa espiral de ativação», garante Madalena Lobo. Experimente concentrar-se por uns minutos em respirar, enchendo a barriga de ar enquanto conta devagar até quatro. Expire contando até seis ou oito.

- Acorde com energia

Não vá ao Facebook antes de ir dormir nem veja noticiários perto da hora de ir para a cama. «É difícil adormecer quando estamos agitados ou tensos, pelo que é fundamental reservar os últimos 20 a 30 minutos antes de se deitar para atividades relaxantes». A psicóloga recomenda que se desligue a televisão, não se consultem emails nem se joguem jogos competitivos e emocionantes, no máximo, meia hora antes de ir para o quarto.

«Diminua a luminosidade e evite o brilho forte de monitores de computador, porque a luz está diretamente relacionada com a regulação do ciclo vigília-sono. Como é difícil adormecer mesmo quando se está demasiado cansado, este tempo antes de se deitar ajuda a que descanse o suficiente para conseguir dormir», ressalva Madalena Lobo.  Entre para o quarto e deixe o telemóvel fora dele.

Veja na página seguinte: Por que deve evitar o silêncio absoluto quando dorme

Comentários