É uma pessoa nomofóbica?

Cada vez mais, o mundo está nas mãos da tecnologia e por isso, é mais difícil conseguir manter-se longe dos aparelhos eletrónicos e mais concretamente, dos telemóveis.

A nomofobia encontra-se relacionada com o vicio que algumas pessoas sentem pelo telemóvel, ou seja, uma sensação de angustia por não conseguirem ficar durante muito tempo sem mexer nele. Embora possa parecer uma brincadeira, a verdade é que hoje em dia as pessoas estão cada vez mais agarradas aos aparelhos eletrónicos e existem alguns casos, onde deixam de fazer as tarefas do dia a dia, de se divertirem, entre outras, só para estarem constantemente em contacto com estes.

Tal como os vícios, este também tem a sua gravidade e as suas dependências, visto que o efeito que provoca na pessoa é tão grande que faz com que, tal como referimos acima, se desleixe das suas necessidades e viva em função destes aparelhos. Como é óbvio, isto tem tendência a piorar sempre que ficam incontactáveis e isso depois, reflete-se no seu comportamento.

Para os nomofóbicos, é difícil deixar o telemóvel de lado nas mais variadas situações, sejam elas reuniões, festas de família ou amigos, funerais, hospitais, entre outras. Na maior parte dos casos,  este consegue afetar as relações pessoais e familiares, devido ao facto das pessoas que mais gosta passarem para segundo plano.

Reconhecimento - Identificar uma pessoa que sofra deste vicio não é fácil, isto porque, cada vez mais o telemóvel é usado com bastante frequência pela maior parte das pessoas. Mas existem sintomas, que fazem com que consiga reconhecer este vicio, como é o caso de falta de ar, má disposição, ansiedade e também da falta de sono. De acordo com uma pesquisa feita na Coreia do Sul, chegou-se à conclusão que os efeitos que a nomofobia tem no cérebro, são praticamente iguais aos que são causados pelo álcool e também pelas drogas.

Tratamento - Para se livrar deste vicio é necessário que tome medidas mais acentuadas, como desligar o telemóvel e os restantes aparelhos assim que chegue a casa. Depois de o fazer, opte por passar mais tempo com a sua família e amigos e faça-os ver que durante o tempo em que estão juntos, não devem usar estes aparelhos. Se o caso é ainda mais grave do que pensava e não consegue desligar-se dos aparelhos eletrónicos, procure a ajuda de um especialista, mais concretamente de um psicoterapeuta. Só assim, irá conseguir voltar a ter tempo para si e para as pessoas que mais gosta.

Leia mais: Saudável? depende...

Leia mais: Sofre de alucinações?

artigo do parceiro:

Comentários