Tatuagem virtual ou pele eletrónica? Último grito da tecnologia pode revolucionar a saúde humana

Cientistas do Japão estão a desenvolver a “pele eletrónica” mais fina do mundo, um mecanismo que poderá facilitar diagnósticos médicos no futuro.

Trata-se de um conjunto de circuitos feitos como materiais orgânicos, como plástico, que são mais flexíveis e podem ser vestidos pelo utilizador comum.

A versão criada na Universidade de Tóquio pelo investigador Takao Someya tem uma espessura dez vezes menor do que a de uma célula cutânea e é mais leve do que uma pena e também mais resistente.

Segundo os investigadores, esta pele eletrónica pode ser dobrada e esticada sem causar danos nos componentes.

O objetivo é que este tipo de aparelho seja usado para controlar a saúde humana, através de uma tatuagem eletrónica com botões de mão integrados.

Atualmente, a tecnologia está desenvolvida para mostrar apenas um único número digital. “O próximo passo será incluir mais dígitos e depois fazer uma tela de alta definição", comenta Takao Someya, citado pela BBC.

"Isso será possível dentro de quatro ou cinco anos", garante o cientista.

15 doenças que ainda não têm cura

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários