Seis milhões de portugueses são vítimas de ruído excessivo

O problema afeta mais de 60% da população nacional mas há formas de o minimizar. Pedro Paiva, especialista em audiologia, ensina a lidar com a situação de forma preventiva.

Estudos nacionais e internacionais comprovam que a perda de audição, que pode assumir diferentes graus e ter na sua origem diferentes causas, pode comprometer a qualidade de vida do doente quando o problema não é tratado atempadamente. Em Portugal, segundo dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), mais de 60% da população vive atualmente com níveis de ruído acima dos recomendados. A percentagem é preocupante.

Em entrevista à Prevenir, Pedro Paiva, audiologista, explica o que torna um ruído perigoso, aponta os sintomas que exigem uma observação atenta e recomenda cautela na exposição a uma série de sons. «Estes ruídos acima dos níveis recomendados provocam efeitos negativos para o sistema auditivo das pessoas, além de provocar alterações comportamentais e orgânicas», adverte mesmo o especialista.

A partir de que altura é que um ruído pode ser considerado potencialmente perigoso?

Os níveis de ruído recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) são de 55 decibéis (dB) e, segundo a APA, mais de 60% da população portuguesa vive atualmente com níveis de ruído acima dos recomendados. Destes, 19% encontra-se mesmo exposta ao que a OMS considera como barulho incomodativo, acima dos 65 dB. Quando o ruído ultrapassa os 85 dB, é considerado prejudicial à saúde auditiva e provoca efeitos negativos irreversíveis à nossa audição.
O que é que pode ser considerado poluição sonora?

A poluição sonora caracteriza-se como a alteração da condição normal de audição devido ao ambiente causado por um som. Embora não se misture no meio ambiente, como outros tipos de poluição, causa vários danos ao corpo e à qualidade de vida das pessoas.

O ruído é o que mais potencia a existência da poluição sonora e costuma ser provocado pelo som excessivo das máquinas pesadas de indústrias, das obras, dos meios de transporte e das áreas de lazer e recreação, entre muitas outras. Estes ruídos acima dos níveis recomendados provocam efeitos negativos para o sistema auditivo das pessoas, além de provocar alterações comportamentais e orgânicas.

Que tipos de sons devem ser evitados pelas pessoas no dia a dia?

Todos os dias, são várias as atividades de rotina que nos expõem a níveis de poluição sonora altamente prejudiciais para a nossa saúde. Sem nos darmos conta, estamos expostos a situações em que o ruído ambiente é constante e com um elevado impacto nocivo para o nosso bem-estar.

Para termos uma noção de valores de ruído, um restaurante com movimento costuma alcançar os 70 dB enquanto um secador de cabelo chega até aos 90 dB. Um camião e uma buzina de automóvel podem atingir até 100 dB enquanto uma turbina de avião pode ir aos 130 dB. O tiro de arma de fogo próximo, como acontece com quem gosta de caçar, pode chegar até aos 140 dB.

Veja na página seguinte: Os sintomas a que deve estar atento

Comentários