Irenie Ekkeshis ficou cega porque mexeu nas lentes de contacto com as mãos molhadas

A britânica Irenie Ekkeshis contraiu uma infeção rara que a deixou cega do olho direito por manipular lentes de contacto que estiveram em contacto com Acanthamoeba Keratitis, uma bactéria rara mas que pode existir em água canalizada, no mar e em piscinas.
créditos: NEW CITIZENSHIP PROJECT

Em janeiro de 2011, a britânica acordou com fortes dores nos olhos. No hospital, fizeram-lhe uma raspagem da córnea, para obterem células da superfície do globo ocular.

Foi medicada e as dores diminuíram. "Era como olhar através de um espelho da casa de banho embaciado. Via cores e formas, mas nada mais", recorda em entrevista à BBC.

Uma posterior análise laboratorial detetou “Acanthamoeba Keratitis” nos olhos de Irenie Ekkeshis. Trata-se de uma infeção ocular rara causada por um micro-organismo que pode existir e multiplicar-se na água canalizada, no mar e em piscinas.

No Reino Unido, todos os anos, mais de uma centena de pessoas contrai esta infeção, a grande maioria devido à manipulação  incorreta de lentes de contacto, escreve a referida estação de radiotelevisão.

Apesar de medicada, os fármacos demoraram vários meses a controlar a infeção. Por causa das dores, Irenie demitiu-se do trabalho e foi submetida a dois transplantes de córnea. No entanto, o problema alastrou-se, atingiu a retina e deixou-a cega do olho direito.

Aos 36 anos, Irenie Ekkeshis iniciou uma campanha de informação sobre a utilização e higienização das lentes de contacto e criou autocolantes que são agora distribuídos por oculistas e optometristas britânicos. O alerta é simples: não lave ou molhe as lentes de contacto com água. Utilize uma solução apropriada para o efeito, à venda em oculistas e farmácias.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários