Fogo: Serviço de interrupção voluntária da gravidez começa a funcionar no início de fevereiro

O serviço de interrupção voluntária da gravidez (IVG) do hospital regional Fogo e Brava começa a funcionar no início de fevereiro como forma de “combater abortos clandestinos” que “põem em perigo” a vida das pessoas.
créditos: Inforpress

O diretor do hospital regional São Francisco de Assis, Evandro Monteiro, disse à Inforpress que a equipa directiva visitou terça-feira as obras que estão a decorrer no espaço que vai acolher este serviço e que tiveram a confirmação do responsável pela sua execução de que o espaço será entregue até o dia 25.

O responsável indicou que após a recepção do espaço a direcção vai montar toda a logística organizativa para o funcionamento do referido espaço e colocá-lo à disposição da população, “salvaguardando a saúde” da mulher.

O serviço de IVG vai funcionar nas antigas instalações do hospital regional de São Filipe, mais precisamente na antiga maternidade, já que o protocolo de cedência do antigo centro São Francisco de Assis ao Estado de Cabo Verde previa uma cláusula em que não permitia a realização do serviço de IVG no actual hospital regional.

Comentários