Desidratação e hipotensão

Conheça os sintomas e saiba como (re)agir

Com a chegada do verão, os dias tornam-se mais quentes e o risco de ocorrer um episódio de desidratação é maior, sobretudo quando exige do seu corpo algum esforço físico.

A desidratação caracteriza-se por perda de água no organismo e manifesta-se por um conjunto de sintomas que incluem dores de cabeça, diminuição da pressão arterial (hipotensão), tonturas ou desmaios.

Inicialmente, começa por sentir sede e desconforto e, em alguns casos, pode haver perda de apetite e pele seca. Quando se trata de uma desidratação leve, sem hipotensão, recomenda-se a ingestão de água para parar a perda de água. Quando a desidratação é mais grave, podem revelar-se outros sintomas.

Esses incluem dificuldades cognitivas, perda de conhecimento, impossibilidade de fazer tarefas da rotina normal, sensação de desmaio a qualquer momento e tonturas. Quando a pessoa tem uma tensão abaixo dos valores normais (estado de hipotensão), como por exemplo 8-4, não há irrigação cerebral e a pessoa pode desmaiar.
Como agir em caso de desmaio

Em caso de desmaio, deve dar-se água com açúcar. Esta é a combinação adequada para o devido funcionamento de todas as células do corpo humano. De seguida, deve manter as pernas levantadas porque, pela acção da gravidade, o sangue vai irrigar o cérebro. E, posteriormente, a pessoa deve ser encaminhada para uma urgência hospitalar. Em caso de desidratação grave, deve recorrer a ajuda especializada. Para corrigir estados de desidratação, existem algumas terapias de reposição de água, disponíveis em meios hospitalar.

A responsabilidade editorial desta informação é da revista

artigo do parceiro:

Comentários