Nutricionista recomenda: Deveríamos ser vegetarianos uma vez por semana, mas ter cuidado com a soja

Com cada vez mais adeptos, a alimentação vegetariana ainda continua a suscitar algumas dúvidas. Falámos com a nutricionista Margarida Inácio, das Clínicas Viver, a propósito do Dia Mundial do Vegetarianismo, para perceber os cuidados a ter nas dietas restritivas.

A alimentação vegetariana pode ser perigosa para a saúde?

Muitas vezes o que acontece é que a substituição da proteína animal é feita por alimentos ricos em hidratos de carbono, o que origina muitas vezes excesso de peso e desequilíbrios na saúde. Qualquer tipo de alimentação desequilibrada pode tornar-se perigosa, ou seja, o problema não é ser vegetariano, mas sim estar mal-nutrido. Desde que as necessidades nutricionais de cada indivíduo sejam tidas em conta, a alimentação vegetariana não é perigosa. O risco é muitas vezes fazermos essa alteração alimentar por nós próprios sem consultar por exemplo um nutricionista.

Que produtos mais perigosos devem ser excluídos da dieta vegetariana?

Deve-se evitar os alimentos processados e industrializados, com excesso de sal, gorduras hidrogenadas e açúcares de adição. Devemos escolher os alimentos mais simples e confecioná-los e tempera-los com gorduras boas, como óleo de coco virgem, azeite e outros óleos vegetais de primeira pressão a frio.

Quando seguimos uma dieta vegetariana é fundamental consultar um nutricionista, para obtermos informação credível
Quais os cuidados a ter no vegetarianismo?

Hoje em dia é fácil obtermos dicas pelas redes sociais, revistas, televisão e até mesmo por amigos, mas continuo a defender que o nosso estado nutricional deve ser regularmente avaliado. Quando seguimos uma dieta vegetariana é fundamental consultar um nutricionista, para obtermos informação credível.

Veja ainda: Os 20 vegetais mais completos e saudáveis

Saiba mais: Os (potenciais) perigos da alimentação vegetariana

Muitas vezes, mesmo fazendo uma alimentação equilibrada, podemos sofrer de carências especificas e ser necessário suplementar provisoriamente. Os exemplos mais comuns são carências em vitaminas, como a vitamina B12, em minerais como o cálcio, o ferro, o zinco, em ácidos gordos essenciais e em proteínas completas (com aminoácidos essenciais que o nosso corpo não consegue produzir). Mas estes défices podem ocorrer em qualquer tipo de alimentação desequilibrada, por isso o problema não reside em ser vegetariano ou não.

A alimentação vegetariana é amiga do ambiente?

A alimentação vegetariana é amiga do ambiente. A quantidade de cereais cultivados e utilizados na produção de rações para gado e para peixes de aquicultura daria para alimentar-nos a nós durante muito mais tempo. Evitando a cultivo intensivo destes mesmos cereais conseguiríamos evitar, por exemplo, a saturação dos solos. Além disso sabe-se também que ao reduzir o consumo de carne, reduz-se também a emissão de gases com efeito de estufa.

No entanto, seria importante que os alimentos-base da dieta vegetariana fossem cultivados de forma biológica ou que pelo menos existissem leis mais apertadas quanto à utilização de determinados químicos e fármacos na agropecuária, por exemplo. No caso dos ovovegetarianos e dos ovolactovegetarianos que ainda consomem alguns produtos de origem animal, as condições de produção desses mesmos produtos é fundamental. Para quem não é vegetariano, o bem-estar animal devia ser igualmente importante.

A soja por exemplo, uma das melhores e mais completas fontes de proteína não animal, pode não ser a melhor alternativa, pois há muita soja transgénica e não biológica no mercado

Comentários