• Filhos com férias GRANDES e pais com férias pequenas

    Apesar deste período ser uma alegria para as crianças e jovens, para as suas famílias é muitas vezes uma “forte dor de cabeça”. Equacionando algumas das preocupações, apresenta-se de seguida algumas dicas que podem ser úteis para ajudar as famílias.

  • O meu filho tem medo na hora de dormir

    O medo na hora de deitar é frequente nas crianças, nomeadamente por receio em ter pesadelos que são característicos sobretudo entre os 3 e os 10 anos, embora possam ocorrer em qualquer idade. Mas os pais podem ajudar os filhos a ultrapassar os medos. Saiba como.

  • Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção: Um terreno fértil para comportamentos de risco

    Tal não significa que aconteça em todos os indivíduos com o diagnóstico de PHDA, mas de facto é mais provável que aconteça num destes indivíduos do que em alguém com características semelhantes em termos do desenvolvimento.

  • Podem a hiperatividade e o défice de atenção trazer vantagens?

    É muito frequente que vários de um grupo de irmãos cumpram os critérios da perturbação, assim como é comum ouvir os pais (não diagnosticados) das crianças com PHDA dizerem “eu era tal e qual como ele é” ou “se eu tivesse tido nesta idade o tratamento que ele está a ter agora as coisas podiam correr muito melhor”.

  • Luto e acontecimentos de Vida: O que ninguém nos diz

    "O que não nos mata torna-nos mais fortes". "Já foi há tanto tempo, aprende-se a viver". Crescemos a ouvir frases feitas, na intenção de nos ajudarem a continuar.

  • Perturbações do Espetro do Autismo: O que é a Intervenção Parental e quando faz sentido?

    Um dos motivos mais frequentes na procura de ajuda dos pais são as dificuldades em saber como lidar com o comportamento dos filhos. É frequente ouvir como o comportamento de crianças com PEA ou suspeita deste quadro parece interferir de forma desgastante no dia-a-dia da família e da própria criança.

  • A Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção nos adultos: O impacto na vida profissional

    Os últimos 20 anos de investigação têm-nos vindo a mostrar que em quase metade dos casos, a PHDA persiste na idade adulta, ainda que com uma manifestação inevitavelmente diferente daquilo que são os seus sintomas em termos comportamentais (o que é visível ao outro).

  • Pânico: Entre o ataque e a perturbação

    Possivelmente todos nós já ouvimos alguém relatar um episódio em que se sentiu em pânico e, na verdade, a grande maioria de nós já experienciou ou experienciará, ao longo da sua vida, um ataque de pânico. No entanto, isto não quer dizer que tenhamos uma Perturbação.

  • Como sobreviver à adolescência?

    É exasperante, uma angústia e incerteza permanentes… ele é adorável ao pequeno-almoço, insuportável ao jantar, brilhante à segunda feira e sonâmbulo ao sábado! O que se passa?

  • O lado emocional da Dislexia

    As crianças com Dislexia estão em risco! Não só em termos académicos, como também em termos emocionais. Com efeito, quando se fala em Dislexia, uma das áreas que habitualmente colhe menor atenção é o seu lado emocional, muitas vezes ofuscado pela busca do sucesso escolar

  • Quem é que “manda”: és tu ou sou eu?“

    Esta é uma pergunta que surge em diferentes momentos das rotinas de muitas famílias, com crianças ditas “opositoras”

  • Os adolescentes e as saídas à noite: sair ou não sair?

    A máxima dos Bon Jovi "gonna live while I'm alive, I'll sleep when l'm dead" continua a ser tão verdadeira para os adolescentes do século XXI como para os do início dos anos 90, porque o que mais querem é experimentar o mundo na sua plenitude

  • A importância da intervenção especializada no processo de socialização, em crianças com necessidades especiais

    “As crianças têm mais necessidade de modelos do que de críticas.” (Joseph Joubert)

  • Mania na crianças: realidade ou mito?

    Apesar dos avanços e consensos conceptuais durante os últimos anos, a controvérsia e cepticismo referentes ao diagnóstico da PBP persistem na comunidade científica, sobretudo no que diz respeito à apresentação sintomática da Mania na primeira infância, assim como no que respeita à sua prevalência

  • Ser ou não ser violento com os videojogos: eis a questão!

    A associação que os media fazem entre a violência nos vídeojogos e assassinatos brutais é demasiado tentadora para ser deixada em branco

  • Intervenção em pessoas adultas que gaguejam. Será que vale a pena?

    As sociedades tipicamente investem nos mais novos, ou seja nas crianças e jovens, porque eles são o futuro. Nos mais velhos persiste muitas vezes a duvida: será que ainda vale a pena? Porque duvidam os adultos?

  • Como aprendemos a ler: os primeiros passos

    A leitura é uma das aquisições mais importantes para o desenvolvimento das aprendizagens e integração social, porém, apesar da mesma ser um processo complexo, para outros também é inato. Todavia, e contrariamente à sua importância, a maioria dos leitores não retém consciência e memória do desenrolar desse processo

  • Perturbação Obsessivo-Compulsiva em crianças e adolescentes

    Como devo reagir quando o meu filho realiza um ritual? Devo ajudá-lo a parar, interromper ou ignorar? Estas são algumas dúvidas com as quais os pais se debatem perante os rituais típicos da Perturbação Obsessivo-Compulsiva

  • Cyberbullying, a ameaça que se esconde na Internet

    A investigação demonstra que os vitimizadores no Bullying são habitualmente indivíduos com personalidades dominantes, que exercem a sua vontade através da força

  • Como terminar um namoro? Quando o seu filho não sabe o que fazer

    “O meu filho está a pensar acabar o namoro e não sei o que dizer-lhe… Será que existe uma forma ideal de terminar uma relação?” Aqueles que já se confrontaram com este problema decerto terão concluído que não existem respostas certas e erradas para essa questão. Existe apenas uma única certeza: nunca é fácil

  • A importância da relação precoce pais-criança na gestão dos problemas de comportamento

    Desde o nascimento, pais e bebé começam a conhecer-se e a estabelecer os moldes da sua relação. As experiências precoces, a forma como os pais dão resposta às necessidades e às formas de interacção do seu bebé, terão implicações não só no bem-estar do bebé mas também no seu temperamento

  • Os media e as questões da saúde

    Poucas coisas serão tão devastadoras na vida de uma criança quanto um professor ignorante no assunto que lecciona, preguiçoso na busca das fontes de onde colhe o conhecimento e que, com leveza e sem sentido da responsabilidade, ensina mentiras