“African World.Cv”: Jovens cabo-verdianas dão dicas de beleza nas redes sociais

Joyarine Fortes e Elizângela Fortes são as mentoras do projeto “African World.CV”.

As jovens cabo-verdianas, radicadas na Europa, são as mentoras do projeto “African World.CV”.

créditos: Fotos@Cedidas por Joyarine e Elizângela

Joyarine Fortes (Joya) e Elizângela Fortes (Eli) são duas jovens cabo-verdianas, radicadas na Europa, que partilham a mesma paixão pela moda.

Joya, como é carinhosamente conhecida pelos amigos, é natural do Mindelo, mas vive há seis anos na Suíça. A jovem de 20 anos é apaixonada por moda e não sai de casa sem batom, rímel e perfume.

Além da moda, a mindelense também tem outra paixão: a música. “Música é minha vida. Canto de dia e noite, não importa onde eu esteja”, afirma.

A jovem cantora já fez vários covers no YouTube. O cover da música “Namora Comigo” do cantor Djodje já tem mais de 21700 mil visualizações.

Eli é de Santo Antão, mas reside atuamente na Espanha. A jovem de 23 anos é irmã da modelo internacional Zuleica Eliana.

Questionada se pretende seguir os passos da irmã, a santantonense diz sorridente: “Amo moda, mas seguir os passos da minha irmã acho que não”.

Batom e rímel são os itens indispensáveis para a jovem que pretende fazer um curso de maquilhadora profissional.

Há dois anos Eli e Joya conheceram-se através das redes sociais e, em abril de 2016, resolveram criar uma página no Facebook intitulada “African World.CV” onde partilham com os internautas dicas de cabelo natural, moda e maquilhagem. A página já tem mais de 6700 gostos.

Joya exibe na página o seu cabelo cacheado, mas revelou ao SAPO que aos 13 anos começou a usar químicos no cabelo por incentivo da mãe. Quando resolveram criar a “African World.CV” estava a passar por uma fase de transição capilar.

“Havia muitas pessoas indecisas se aceitavam o cabelo natural ou se continuavam a usar químicos e eu sentia-me obrigada a transmitir a essas pessoas o quão era bom a sensação de voltar ao cabelo natural”, diz e acrescenta que incentivou muitas pessoas a darem início à transição capilar ou até mesmo a fazer o “Big Chop” (corte de cabelo).

Já Elizângela alisou o cabelo em 2010 por incentivo de uma tia e depois passou a usar e abusar da chapinha. “O uso abusivo da chapinha estava a deixar o meu cabelo ressecado. Então resolvi deixá-la um pouco de lado e assumir o meu cabelo natural. Muita gente pedia dicas de como ter um cabelo grande igual ao meu e eu sentia-me tão bem em poder partilhar dicas super eficazes”.

Recentemente, devido ao “grande feedback” por parte dos internautas, as jovens decidiram criar um canal no YouTube, bem como uma página no Instagram com o mesmo nome. “O objetivo é divulgar o canal”, afirmam.

Segundo Elizângela e Joyarine, gerenciar todas essas contas tem sido uma “grande responsabilidade”, uma vez que passou a requerer mais tempo e dedicação de ambas. “Tentamos nos manter sempre ativas, mas é um grande desafio visto que levamos uma vida muito corrida”.

“Não é fácil gravar e editar os vídeos e depois não termos uma boa repercussão do público. Mas para nós não conta só o número de seguidores, mas sim o número de pessoas que já conseguimos ajudar através das nossas dicas e dos nossos conselhos. Esperamos que o nosso canal continue a crescer e que algum dia tenhamos um reconhecimento merecido”, afirmam as jovens.

Comentários