O poder do laser ao serviço da sua pele e da sua beleza

É indesmentível a eficácia dos diferentes feixes de luz no tratamento de alguns dos problemas de pele mais comuns. Saiba quais são as técnicas mais utilizadas e veja o que as distingue.

O laser revolucionou a ciência e, mais especificamente, a medicina. Usado com sucesso em oncologia e em cirurgia, também está a ter resultados excelentes no campo da dermatologia. Vários problemas de pele, tanto médicos como estéticos, são suscetíveis de ser tratados com laser. Apesar da cirurgia ser o ramo da medicina que mais aplicações encontrou na referida tecnologia, a dermatologia é a que mais repercussões sociais e populares teve.

Ano após ano, continua também a ser a que mais procura tem em determinados âmbitos estéticos. O laser é, basicamente, luz. Mas uma luz de um único comprimento de onda e todos os seus raios se deslocam numa única direção, pelo que permite concentrar uma determinada quantidade de energia num local muito concreto. Os dermatologistas referem que existem até 15 tipos de lasers distintos.

Muitos referem ainda que as suas diferenças básicas se encontram no comprimento de onda. A energia que transmite é absorvida em maior ou menor medida pelas estruturas da pele, mais por umas do que por outras. De tal forma que encontramos, lá fora e cá dentro, lasers cuja energia é assimilada pelos vasos sanguíneos e outros que afetam apenas a produção de melanina.

A desconfiança que se exige

Este é o principal motivo pelo qual alguns servem para tratar problemas vasculares e outros são utilizados em lesões pigmentadas. O segundo motivo de diferenciação reside no facto da energia do laser se ir perdendo à medida que incide na pele, até chegar a uma profundidade concreta. Apesar da maior parte dessa energia ser absorvida pela pele, também invade as restantes estruturas.

Esse é um motivo pelo qual não se pode aumentar a intensidade de forma descontrolada, sob pena de danificar os tecidos. Desconfie, por isso, de lasers que fazem tudo porque tal alegação é falsa. É verdade que existem tecnologias que combinam equipamentos de laser com outras fontes de luz em diferentes sessões para rejuvenescer a pele, por exemplo, sem sem ser necessário passar por uma sala de operações.

Mas estes resultados só são conseguidos com os melhores equipamentos e bons profissionais. Apesar de ser mais do que certo que o laser não é uma panaceia e que nem todas as patologias são suscetíveis de ser tratadas com ele, a verdade é que o seu campo de ação é cada vez mais amplo já que pode cortar, queimar, coagular ou destruir tecido. Para cada tipo de laser há indicações muito concretas e contraindicações básicas.

Veja na página seguinte: 8 problemas que os lasers resolvem

Comentários