Ser mãe poderia ser o melhor "emprego" pago do mundo?

A maternidade é algo que muitas mulheres anseiam. E quando os filhos chegam, abraçam esta nova fase esperando apenas receber muito amor, carinho e felicidade. Mas e se as mães fossem pagas pelos cuidados que prestam aos filhos e pelas tarefas que realizam em casa? Uma plataforma online fez as contas e revela o ordenado que elas poderiam estar a ganhar.

Para começar, uma primeira nota. As contas aqui apresentadas foram realizadas tendo em conta a realidade inglesa. Mas pode ser um exercício engraçado para todas as mães, nem que seja por curiosidade.

A Bidvine.com, uma plataforma online de serviços de marketing, resolveu criar uma calculadora para determinar o ordenado que uma mãe poderia ganhar se fosse paga pelos cuidados que presta aos filhos e pelas tarefas que realiza em casa.

Segundo as contas desta empresa, uma mãe que vive no Reino Unido poderia receber um ordenado anual de 80 mil libras (cerca de 92 mil euros). Neste país, o valor apurado equivale ao ordenado de um piloto ou advogado.

Para chegar a estes valores, a Bidvine.com realizou uma pesquisa a 1.200 mães britânicas para determinar quanto tempo gastam nas tarefas e quais as que realizam diariamente. Concluiram que estas passam até quatro horas em limpezas e arrumações, duas horas a preparar as refeições para a família, uma hora de volta da roupa, além de estarem disponíveis para os filhos 24/24 horas.

A adicionar a estas tarefas, 44% das entrevistadas admitiram ter um animal de estimação e dois terços deste grupo revelou que são elas quem dão banho, alimentam e passeiam os animais.

A pesquisa também determinou que 74% das mães sentem que são elas as responsáveis por todo trabalho que uma casa exige, e 67% sentem que são as únicas cuidadoras dos filhos.

Se quiser experimentar a calculadora (tendo em conta que os empregos e respetivos ordenados aqui apresentados referem-se à realidade do Reino Unido), basta clicar AQUI.

A calculadora foi pensada a propósito do Dia da Mãe, que no Reino Unido, comemora-se três semanas antes do domingo de Páscoa.

artigo do parceiro: Susana Krauss

Comentários