Laço Branco: Paternidade em Cabo Verde está muito aquém do ideal

O secretário-geral do Laço Branco Cabo Verde (LBCV) considera que a paternidade em Cabo Verde está muito aquém do ideal, mas acredita que esta é uma realidade mundial e que no arquipélago precisa ser trabalhada localmente.

A declaração foi feita por Paulino Moniz, quando falava à Inforpress sobre a nota com sugestões sobre as formas de assinalar o Dia do Pai, 19 de março, enviada aos docentes, monitores dos jardins infantis, pais e encarregados de educação, numa parceria entre o LBCV e a Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania (CNDHC).

“A paternidade em Cabo Verde está muito aquém do desejado, porque pelo que percebemos em conversas comunitárias que temos, são momentos de tristeza, quando as pessoas estão a falar da experiência e vivência com os seus pais”, disse, indicado que são pais de diferentes extratos sociais, desde polícia, ao empresário, passando por político ou pedreiro.

Segundo Paulino Moniz, a realidade tem mostrado que ausência de um pai tem “afetado muito a vida das pessoas”, afirmando que a paternidade é algo de “masculinidade”, visto que muitas vezes o homem age da forma como a sociedade lhe ensinou, acrescentando que a questão do género varia de sociedade para a sociedade.

“A forma como exercemos a paternidade tem alguma semelhança em mundo inteiro, ou seja, não é só a realidade cabo-verdiana, mas cada uma tem a sua nuance”, afiançou, frisando que é tendo em conta esta realidade que tem sido divulgada a referida nota para todas as escolas, jardins infantis e associações de pais e encarregados de educação.

A finalidade é chamar a atenção para a forma como se faz essa celebração do Dia do Pai, que muitas vezes representa um “momento de sofrimento para crianças que não sentem a presença dos pais nas suas vidas”, propondo que os pais e encarregados de educação façam os possíveis para estarem com as crianças nesse dia.

Entre estas propostas estão, também, que os jardins infantis tenham em atenção a divulgação de mensagens que incentivem uma maior participação dos pais no quotidiano das crianças, focadas nos cuidados e na relação pai e filho, e que as crianças que não tenham possibilidade de contar com a presença dos pais biológicos nas actividades, sejam estimuladas a convidar outros adultos de referência nas suas vidas, como tios, padrinhos, avós, padrastos, entre outros.

A divulgação da referida nota decorre no seguimento da campanha “Ami ê Pai”, promovida pela CNDHC em 2013, entre 19 de março (Dia do Pai) a 19 de novembro (Dia do Homem), durante a qual foram realizadas dezenas de conversas comunitárias em todas as ilhas sobre “Paternidade e Cuidados”, em parceria com a LBCV.

A campanha, que teve como finalidade sensibilizar a sociedade cabo-verdiana sobre o papel e a importância do pai no desenvolvimento das crianças, estruturação das famílias e organização, coesão e estabilidade social, contou com o financiamento da Cooperação Francesa e a parceria de quase 20 entidades.

A mesma consistiu na realização de uma série de atividades e contou ainda com o apoio do jovem artista Edson Silva – Batchart - que associou o tema “Dádiva Divina”, do álbum “Wikileaks”, à campanha como música oficial.

O Laço Branco Cabo Verde é uma rede fundada a 10 Julho de 2009, por um grupo de homens das mais variadas áreas de formação e de atuação, caracterizando pelo forte engajamento na promoção da igualdade de género, pelo fomento de alianças com outras instituições/organizações da sociedade civil que se posicionam a favor dos direitos humanos e contra a desigualdade de género e a todas suas manifestações.

Comentários