Chama-se Nikolai e nasceu a 11.800 metros de altitude

Uma mulher, de origem búlgara, deu à luz a bordo de um avião da companhia aérea Lufthansa que fazia um voo de longo curso entre Bogotá e Frankfurt.

Na passada quarta-feira, Desislava K. deu à luz o seu primeiro filho. Até aqui nada de estranho caso o parto não tivesse acontecido a bordo do voo LH543 da Lufthansa que fazia a ligação entre Bogotá e Frankfurt.

Os 191 passageiros e 13 membros da tripulação aperceberam-se que a mulher, de origem búlgara, estava em trabalho de parto enquando o avião sobrevoava o Atlântico.

Após moverem alguns dos passageiros para os lugares da frente, a tripulação acabou por improvisar uma sala de parto na zona traseira do avião onde, juntamente com três médicos que estavam a bordo, ajudaram a mulher de 38 anos a dar à luz. O parto, que se desenrolou sem qualquer complicação, decorreu a 11.800 metros de altitude.

O bebé nasceu às 12:37 e recebeu o nome de Nikolai em homenagem a um dos médicos que prestou assistência durante o parto. De forma a que a mãe e a criança recebessem os cuidados médicos necessários, os passageiros foram informados do sucedido e o comandante decidiu aterrar em Manchester.

Chama-se Nikolai e nasceu a 11.800 metros de altitude
créditos: Lufthansa

“Em 37 anos de carreira nunca experienciei nada como isto. A tripulação inteira fez um trabalho incrível. Foi um grande trabalho de equipa, com todas as pessoas a desempenharem o seu papel”, disse o comandante do voo LH543, Kurt Mayer. “Tirando o nascimento do meu filho, este foi um dos momentos mais comoventes da minha vida.”

Em 52 anos de existência, esta é a 11ª vez que um bebé nasce a bordo de um avião da companhia Lufthansa que faz questão de dar treino de primeiros socorros à tripulação. Para além disso, o regulamento da companhia aérea refere que as passageiras com uma gravidez sem complicações podem viajar na Lufthansa até ao final da 36ª semana de gravidez sem atestado do seu ginecologista. Contudo, é recomendável que a partir da 28ª semana de gestação façam acompanhar-se de uma carta redigida pelo seu médico.

Recorde-se que esta não é a primeira vez que um bebé nasce durante uma viagem de longo curso. Em abril, uma mulher guineense deu à luz durante um voo da Intercontinental que fazia a ligação entre Conacri, na Guiné, e Istambul, na Turquia.

Comentários