Polémica na Holanda. Há mais 84 casais afetados por erro na manipulação de esperma

Quatro centros médicos que recorrem aos laboratórios do Centro Médico Universitário de Utrecht (UMC) para os procedimentos de fertilização in vitro dizem ter sido também afetados pelo erro humano que deu origem à contaminação de esperma sem precedentes no país.
créditos: AFP

Pelo menos 84 casais foram já notificados e convidados a interromper o processo de fertilização in vitro depois do escândalo da manipulação de esperma ganhar contornos mais amplos.

O UMC reconheceu na quarta-feira (28/12) ter havido um suposto "erro  humano" na manipulação de esperma em laboratório e anunciou uma investigação oficial para perceber se 26 mulheres identificadas inicialmente receberam de facto o esperma do homem correto ou se, pelo contrário, o sémen utilizado na fecundação dos seus óvulos estava previamente contaminado.

Os centros de Amersfoort, Niewegein, Arnhem e de diakonessen de Utrecht dizem agora ter também utilizado os laboratórios do Centro Médico Universitário de Utrecht para os procedimentos e temem que os óvulos fertilizados e já implantados em 84 mulheres possam ter sido contaminados com líquido seminal errado.

Os casos que podem ter sido afetados por este erro humano - não foi explicado exatamente como aconteceu o processo de contaminação -  foram levados a cabo entre abril de 2015 e novembro deste ano. Metade das mulheres atendidas no UMC ficaram grávidas, algumas já deram à luz.

Leia ainda: As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos

Veja também: Como dormem os casais que estão à espera de bebé?

O UMC diz lamentar o sucedido e estar a fazer tudo para esclarecer a situação. "A diretoria da UMC lamenta que os casais envolvidos tenham recebido esta notícia e fará tudo o que estiver ao seu alcance para dar clareza sobre o assunto o mais rápido possível", adianta.

Segundo assegurou o centro, todos os casais foram já informados da situação. Os casais que já tiveram os respetivos filhos podem submeter-se a um teste de ADN para provar que não foram vítimas desta situação, classificada pelo hospital como um "erro humano". Aos casais que ainda estão em tratamento, o hospital irá dar-lhes a opção de iniciar todo o processo desde o início.

Numa FIV, os óvulos são fecundados em laboratório pelos espermatozoides e depois implantados no útero da mulher.

Não é a primeira vez que acontece um erro do género. Em 2012, uma mãe de Singapura processou uma clínica alegando negligência depois de provar que houve mistura do esperma do marido com o de um estranho.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários