Mais de 20.000 crianças em risco de morrer à fome na Somália

Mais de 20.000 crianças correm risco de morrer à fome em poucos meses, tendo os casos de desnutrição disparado em diferentes zonas da Somália, devido à seca, alertou hoje a organização Save the Children.
créditos: AFP

“A falta de alimentos e o crescente número de crianças gravemente mal nutridas são alarmantes”, afirmou o diretor da organização internacional na Somália, Hassan Noor Saadi, em comunicado.

De acordo com a mesma fonte, as recentes chuvas têm sido erráticas e não permitem salvar as colheitas e o gado, pelo que as famílias se veem sem as suas principais fontes de alimento. A organização não-governamental apontou ainda a subida dos casos de desnutrição em pelo menos nove distritos do país e pediu à comunidade internacional a intensificação de ajuda para lidar com esta emergência humanitária.

Nos últimos meses, as organizações internacionais têm alertado repetidamente para a necessidade de atuação imediata na Somália de modo a parar esta situação, caso contrário o país irá passar por uma nova crise de fome, como ocorreu em 2011, quando cerca de 260.000 pessoas morreram.

Recentemente, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alertou que o número de crianças que sofrem ou sofreram de mal nutrição aguda na Somália vai aumentar em 50%, no ano de 2017. De acordo com a Unicef, as crianças mal nutridas têm nove vezes mais probabilidade de morrer de doenças como a cólera, diarreias agudas e sarampo.

Atualmente, seis milhões de pessoas, metade da população da Somália, enfrentam uma situação de precariedade alimentar como consequência da seca que assola o país.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários